Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Reportagem: Rafael Duarte 
Edição: Cledivânia Pereira

'De pé no chão também se aprende a ler' revolucionou Natal

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

“De pé no chão se aprende a ler” foi o maior projeto de alfabetização e educação popular de que se tem notícia em Natal, capital do RN. 

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

No chão de terra batida, sob o teto coberto de palha, centenas de crianças e adultos foram alfabetizados, entre 1961 e 1963, na periferia de Natal, a partir de uma metodologia inovadora. 

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

O cientista social e professor aposentado da UFRN Willington Germano escreveu os detalhes do projeto no livro “Lendo e Aprendendo: a Campanha de Pé no Chão”.

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Lançado em 1981, o livro foi o primeiro trabalho acadêmico sobre a experiência e a nova edição será agora em março de 2022.

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

A campanha de Pé no Chão está diretamente ligada ao perfil da administração de Djalma Maranhão, um político de esquerda, comunista e irmão do militante Luiz Ignácio Maranhão Filho, morto pela ditadura militar. 

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

No mesmo período, o educador Paulo Freire implantava no interior do Rio Grande do Norte as “40 horas de Angicos”, em 1963,  e a partir dali ganhou notoriedade internacional.

Já contamos isso AQUI!

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Projetos como a campanha de Pé no Chão e a alfabetização de adultos em Angicos despertaram o ódio dos militares golpistas. Não por acaso, uma das primeiras iniciativas da ditadura foi acabar com a proposta.

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3


“Rever tudo isso é uma forma de lembrar, de resistir” 

Willington Germano
Cientista social e professor aposentado da UFRN

SAIBA MAIS dessa história AQUI!

Click abaixo que a gente conta!

Quer saber mais sobre o RN?

Produção WebStories: Cledivânia Pereira
saibamais.jor.br