Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Reportagem e fotos: Jana Sá
Edição: Cledivânia Pereira

Eólicas provocam furacão social em comunidades do RN

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

“Quando chegou a eólica aqui, destruiu tudo. Aqui tudo era lindo. Tinha muita mata, muito morro, muita lagoa. E em dois anos destruíram tudo para implantar as usinas.” 
Maria Joelma da Silva

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Na comunidade de Enxu Queimado, município de Pedra Grande/RN, a
142 km de Natal, a energia eólica chegou com a promessa de melhoria de vida da população.

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

A comunidade, que começou a se formar por famílias de pescadores em 1920, está hoje rodeada por ventiladores gigantes e cortada pelo barulho das turbinas.

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

“A eólica criou empregos quando chegou aqui, mas foram temporários, e trouxe muitos outros problemas”, revela José Silva de Melo,que cresceu na comunidade e trabalha há 35 anos como pescador.

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Após mais de uma década do início de funcionamento, os 24 parques eólicos implantados e em construção mudaram a paisagem da praia de Enxu Queimado e os jovens foram deslocados da pesca artesanal.

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Segundo a pesquisadora Moema Hofstaetter,
doutora em Turismo e Desenvolvimento, não há sequer dados que precisem o número de empregos gerados pelas eólicas.

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

"Esse discurso de emprego é mentiroso, porque o trabalho gerado é precário, sazonal e de baixa remuneração. Não resolve a questão da pobreza, não gera desenvolvimento, ele é pontual”
Moema Hofstaetter

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Dos problemas apontados pela comunidade e pelas pesquisas:

As dunas ganharam estradas de cascalhos por onde passam os veículos responsáveis pela manutenção dos equipamentos. 

Pássaros em sua rota de migração morrem ao se chocar com as hélices. 

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

O barulho gerado pelos cataventos é tão alto como as torres. 

À noite, luzes vermelhas piscam nos aerogeradores, com potencial para desorientar as tartarugas que desovam na região. 

A intervenção humana com a retirada da vegetação nativa também acelerou o processo de movimentação das dunas.

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Há também problema fundiário. Desde 2007, os moradores de Enxu Queimado passaram a ser alvo de assédios constantes por parte da incorporadora que reivindica a propriedade de praticamente toda a comunidade.

Foto: Cledivânia Pereira

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

A empresa Teixeira Onze se diz dona das terras através da posse de um documento de 13 anos.

Os moradores da comunidade pesqueira conquistaram a suspensão temporária da reintegração de posse.

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

E a situação tende a piorar com a liberação da produção de energia eólica offshore - ou seja, no mar. O RN é o pioneiro na liberação das estruturas.

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Conheça mais essa história!

Leia aqui!

Click abaixo que a gente conta!

Quer saber mais sobre o RN?

Produção Webstories: Cledivânia Pereira
Reportagem e Fotos: Jana Sá 

saibamais.jor.br