Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Edição: Cledivânia Pereira

RN: desigualdade BATE RECORDE e é  2ª maior do País

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Em 2021, o Rio Grande do Norte foi o segundo estado do Brasil com maior desigualdade de renda per capita e o primeiro do Nordeste

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Pior: a renda dos mais pobres caiu 30%  e o fosso entre os que ganham mais e os que ganham menos atingiu o maior índice desde 2012

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Os dados são do relatório “Rendimentos de todas as fontes”, da PNAD Contínua, feito pelo IBGE e divulgado em junho de 2022

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Pelos dados divulgados, índice que mede a desigualdade de rendimento domiciliar por pessoa (chamado Gini) foi de 0,587 no RN, ou seja, um recorde no estado desde 2012

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

E esse aumento das desigualdades afeta diretamente os mais pobres. Entre os potiguares no grupo dos 5% de menor renda houve uma queda de 30% no rendimento médio mensal real por pessoa em 2021

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Esses potiguares que vivem na base da pirâmide social, tinham uma renda média mensal de R$ 79 em 2020 e caiu para R$ 55 em 2021

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Já no topo da pirâmide de rendimento, os potiguares que estão no grupo do 1% de maior renda do Estado tiveram um crescimento de 3% no rendimento médio mensal real por pessoa em 2021

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Em 2020, essas pessoas ganhavam R$ 11.576 por mês e passaram a receber R$ 11.934/mês em 2021. Ou seja, os mais ricos passaram a receber 200 vezes mais que os mais pobres em 2021

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Além do RN, outros cinco estados atingiram seu próprio recorde de desigualdade: Roraima,Paraíba, Pernambuco,Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul

Click abaixo que a gente conta!

Quer saber mais sobre o RN?

Produção Webstories:
Cledivânia Pereira

Fotos: Unsplash   

saibamais.jor.br