Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Edição: Cledivânia Pereira

Pesquisador traduz cartas de Felipe Camarão

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

O professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da USP, Eduardo Navarro fez a tradução inédita de seis cartas em tupi trocadas entre indígenas no século 17 durante a invasão holandesa no Nordeste

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

É o primeiro documento da história escrito em tupi por e para indígenas traduzido para o português e têm como principal personagem o índigena potiguar Felipe Camarão

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

As cartas revelam diálogos entre os que lutaram na Insurreição Pernambucana, a guerra religiosa ocorrida entre holandeses e portugueses, bem noperíodo do massacre de Cunhaú e Uruaçu

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

“Por que faço guerra com gente de nosso sangue, se vocês são os verdadeiros habitantes desta terra? Será que falta compaixão para com nossa gente?”, pergunta o potiguar Felipe Camarão ao cacique Pedro Poti, em uma das cartas

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

As cartas só foram traduzidas agora em 2021, mas são estudadas desde o século 19. “É a primeira vez que essa história é contada pela pena dos índios, e está ali o lado dos vencidos”, afirma Navarro, autor da pesquisa

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

A tradução só foi possível com a ajuda de um dicionário de tupi, também feito por Navarro em 2013.Os documentos originais estão guardados na Biblioteca Real de Haia, na Holanda

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

As correspondências foram escritas no ano de 1645 pelo potiguar Felipe Camarão, que esteve ao lado dos portugueses. Nos textos, ele pede para que seus parentes, Pedro Poti e Antônio Paraupaba, abandonassem os holandeses

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

“Não pensem que se poupa a vida dos potiguaras, da gente nossa, por esses terem sido feitos chefes. Não pensem que os holandeses livram vocês de nós. Somente a vida deles é poupada”, diz o texto traduzido

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Em 1649, Pedro Poti foi capturado e torturado pelos portugueses. Ele morreu a bordo de um navio que seguia para Portugal, onde seria julgado

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Infelizmente as cartas enviadas por Pedro Poti a Felipe Camarão não foram preservadas, mas há relatos históricos de que ele teria dito que não podia apoiar os portugueses depois da violência que esses praticaram contra os indígenas da região

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Na carta escrita para Antônio Paraupaba, Felipe Camarão diz que é seu "verdadeiro pai" e que por isso não quer sua morte

Texto e foto: Cledivânia Pereira

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

Heading 3

As correspondências revelam detalhes de algumas batalhas travadas à época, nomes de outros combatentes e relatos da perda de tradições dos potiguares

Click abaixo que a gente conta!

Quer saber mais sobre o RN?

Produção WebStories: Cledivânia Pereira
Fotos: Arquivo e Cedidas
saibamais.jor.br