É a final antecipada
Natal, RN 16 de jun 2024

É a final antecipada

6 de julho de 2018
É a final antecipada

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Parece inusitado, mas é isto mesmo: o Brasil alcança as quartas de finais da Copa da Rússia, ou seja, está entre os oito melhores, sem conseguir jogar de uma maneira que torne marcante, e inesquecível, o time de Tite.

Para contextualizar e ficar nas duas últimas conquistas: a de 1994 foi à história como a seleção engessada, dura na defesa, sem criatividade, sem jogar o fino, mas com dois atacantes que resolviam, Bebeto e Romário.

A de 2002 tinha um eixo habilidoso e criativo, com Ronaldinho Gaúcho, Rivaldo e Ronaldo Fenômeno. Todos em grande fase, compensavam as distorções que aqui e ali surgiam no escrete de Felipão.

Antes deles, a de 1970, a terceira das cinco conquistas, é incomparável: não bastasse Pelé no auge, tinha ainda, só, Rivelino, Tostão, Jairzinho, Gerson, para ficar da meiúca prá frente.

E essa seleção de Tite, caso conquiste algo, como ficará conhecida? Passados quatro dos sete jogos até a final, ainda não dá para cravar com que roupa a seleção pretende ir pro samba do hexa.

De fato, será hoje contra a Bélgica que o time terá de dar a cara à tapa e mostrar se merece mesmo o panteão que almeja - porque dos adversários anteriores não dá para dizer que rivalizam à altura ou que, em condições normais de temperatura, pudessem oferecer algum risco. Mas todos ofereceram, em maior ou menor grau.

A partida de hoje, então, pode definir a cara de um time campeão ou só mais um que tentou.

Pelos talentos que têm, se esperava bem mais do Brasil. Pelo conhecimento que o professor demonstra, e pelo currículo que detém, também se esperava mais.

O fato é que o Brasil vem alcançando seus objetivos, jogo a jogo, e talvez esteja aí o ‘diferencial Tite’: pragmatismo à toda prova. Jogar para vencer, ainda que não seja o fino.

Se for campeão, terá dado não um tapa de luva de pelica, mas um soco nos que duvidavam de sua estratégia - e entrará para a história.

Do contrário, terá fracassado embora dispusesse dos jogadores mais talentosos desde aqueles campeões em 2002, ou mesmo desde o fracasso de 2006.

Entre todos até agora, a Bélgica é o adversário mais perigoso. Tem jogadores habilidosos, destaques em seus clubes na Europa, tem conjunto, tem experiência, tem esquema tático e tem poder de fogo.

Mostrou tudo isso de uma vez só na partida contra os japoneses, quando sofreu um susto mas foi fria e forte o suficiente para botar a bola no chão e buscar a virada.

Tanto quanto qualquer outros, este é um jogo em que tudo pode acontecer. Mas como nenhum anterior, é o que mais põe em risco os sonhos de Tite.

A Bélgica tem grandes jogadores nos três setores, como Courtois no gol, De Bruyne no meio e Hazard e Lukaku na frente. Não perde há 23 jogos, desde setembro de 2016, tem 100% de aproveitamento nesta Copa, ou seja, venceu todos os jogos, e é o melhor ataque do mundial com doze gols.

O Brasil tem os destaques que todos conhecemos. Têm de justificar a fama. E o mundo pede Firmino no lugar de Jesus.

De certo, sai desse jogo um grande candidato a finalista. Acho que sai o campeão.

Continuo torcendo para o Brasil, enfim, deslanchar - e mais do que nunca repito o placar do jogo anterior, com 3 a 2 para os canarinhos e mais um teste para cardíaco.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.