Rejane Medeiros: atriz internacional nascida no Seridó morre aos 80 anos
Natal, RN 17 de jul 2024

Rejane Medeiros: atriz internacional nascida no Seridó morre aos 80 anos

19 de junho de 2024
5min
Rejane Medeiros: atriz internacional nascida no Seridó morre aos 80 anos
Rejane Medeiros I Imagem: reprodução

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A atriz Rejane Medeiros morreu aos 80 anos, nesta terça (18), no Rio de Janeiro. Ela nasceu em Acari, mas ainda jovem, aos 12 anos, se mudou para Natal e mais pra frente, por volta dos 18, foi tentar a vida artística no Rio de Janeiro, onde acabou sendo descoberta pelo diretor Roberto Farias, que a recrutou para o filme Selva Trágica (1964), onde contracena com Reginaldo Faria.

Depois da estreia, Rejane Medeiros emendou uma sequência de filmes e fez trabalhos na Itália. A atriz interpretou Maria Bonita em Meu Nome é Lampião (1969), em “A Noite do Espantalho” (1974) foi dirigida pelo músico Sérgio Ricardo, um grande parceiro do cineasta Glauber Rocha, protagonizou Soledade – A Bagaceira (1976), uma adaptação do conhecido romance de José Américo de Almeida, e trabalhou com Paulo César Saraceni em Anchieta, José do Brasil (1977).

Rejane Medeiros I Foto: reprodução
Rejane Medeiros em cartaz de Selva Trágica (1964) I Imagem: Cinemateca Brasileira
Rejane Medeiros em cena de Selva Trágica (1964) I Foto: Cinemateca Brasileira
O último filme de Rejane Medeiros foi Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha (2012), que tem direção de Helena Ignez e Ícaro Martins
Rejane Medeiros contracena com Reginaldo Faria em Selva Trágica (1964) I Imagem: Cinemateca Brasileira

A potiguar esteve de volta ao Rio Grande do Norte em 2008, mais de 20 anos depois de ter deixado o estado. A atriz também retornou a Acari, cidade que não visitava desde que se mudou para o Rio de Janeiro.

Em Natal, Rejane Medeiros recebeu homenagens, como uma peça feita pelo artista plástico Guaraci Gabriel, e participou do II Goiamum Audiovisual.

Eu ia para o cinema e assistia o mesmo filme mil vezes. Meu pai me tirava da cadeira do cinema a força. Naquela época eu não tinha noção de nada e achava que pobre não poderia ser  artista”, lembrou a atriz em entrevista ao jornal Tribuna do Norte, durante sua passagem por Natal.

"Eu era muito inocente e anunciei para todo mundo que iria fugir. Minha mãe soube e me tirou da escola. Fiquei muito chateada, pois além de me tirar da escola, ela pegou o meu baú de fotografias de atores e atrizes famosos e disse que ira queimar. Aí eu saí correndo, dizendo: eu mato, eu mato! Minha mãe ficou sem entender”, revelou Rejane Medeiros.

Imagem: Cinemateca Brasileira
Imagem: Cinemateca Brasileira
Imagem: Cinemateca Brasileira

O último filme da atriz potiguar foi Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha (2012), que tem direção de Helena Ignez e Ícaro Martins, roteiro de Rogério Sganzerla, além de Ney Matogrosso, Maria Luísa Mendonça e Bruna Lombardi entre o elenco.

Rejane Medeiros casou com o instrumentista brasileiro Egberto Gismonti e teve um casal de filhos, ambos músicos. Ela lutava contra um câncer.

Imagem: reprodução
Imagem: reprodução

Filmografia:

Selva Trágica (1963)

Entre o Amor e o Cangaço (1965)

Meu nome é Lampião (1969)

O Pecado Mortal (1970)

A Vingança dos Doze (1970)

Sangue Quente em Tarde Fria (1970)

O Guru das Sete Cidades (1972)

Il Giovane Garibaldi (1974)

A Noite do Espantalho (1974)

Soledade – A Bagaceira (1976)

Alle Origini dalla Mafia (1976)

Anchieta, José do Brasil (1977)

O Torturador (1980)

The Conquest of Paradise (1981)

Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha (2012)

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.