MPRN recomenda controle de gastos e Governo do RN cita perdas no ICMS
Natal, RN 16 de jun 2024

MPRN recomenda controle de gastos e Governo do RN cita perdas no ICMS

5 de junho de 2024
5min
MPRN recomenda controle de gastos e Governo do RN cita perdas no ICMS

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Nos primeiros quatro meses deste ano, o Governo do Estado comprometeu 56,86% da receita corrente com gastos com pessoal, quando a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) fixa em 60% o limite máximo de despesa total com pessoal a cada quadrimestre e limita a 49% o gasto global com pessoal na esfera estadual.

Diante desse quadro, o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) recomendou que o Governo do Estado não conceda aumento, nem concurso público e adote medidas administrativas para adequar as despesas estaduais à LRF.

Saiba +
Crescimento do ICMS do RN em 2024 é metade do registrado em estado vizinho

A orientação é que a administração estadual elimine o excedente de gastos com pessoal para alcançar o percentual de 53,45% da receita corrente líquida ao final do exercício financeiro de 2024.

Além disso, o Ministério Público determina que nos próximos anos o Governo do Estado continue reduzindo as despesas com pessoal até alcançar o patamar de 52,89% em 2025 e 52,34% em 2026.

Durante esse período, o Executivo estadual não deve criar cargos, empregos ou funções públicas, nem alterar estruturas de carreira que impliquem em aumento de despesa e também deve se abster de contratar hora extra.

Em nota, a Secretaria de Estado da Administração afirmou que compartilha das mesmas preocupações e ressaltou que a receita do Estado tem sido prejudicada pela redução do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS).

Em 2022, com a redução da alíquota do ICMS incidente sobre combustível e energia elétrica promovida pelo Governo Bolsonaro, o Estado deixou de arrecadar mais de R$ 1 bilhão anualmente. Em 2024, com a redução da modal de 20% para 18%, o RN estima perder em torno de R$ 700 milhões no ano em receita. Esses fatos estão influenciando diretamente nos indicadores do Executivo Estadual”, expõe a Secretaria.

De acordo com o Relatório de Gestão Fiscal, publicado pelo Tesouro Nacional, o Rio Grande do Norte tem o maior percentual de gastos com pessoal entre todos os Estados Brasileiros, ficando mais de 5% acima do Estado com segundo pior desempenho, Minas Gerais, cujo comprometimento da receita líquida com gastos com pessoal alcançou 51,37%.

O MPRN recomenda, ainda, que o Governo do Estado faça um levantamento patrimonial de bens próprios e analise a possibilidade de dar uma destinação econômica para levantar recursos.

Relembre
O ICMS é cobrado sobre combustíveis, energia elétrica, transportes coletivos e nas operações que envolvessem esses itens, sendo considerado o imposto estadual mais importante pelo impacto nas receitas.

Em junho de 2022, às vésperas da eleição, o ex-presidente Jair Bolsonaro (que tentava reeleição), sancionou a Lei Complementar 194/22, que estabelecia um limite de cobrança da alíquota entre 17% e 18% sobre produtos e serviços essenciais. Na época, a medida foi criticada pelo caráter eleitoreiro.

Em 1º de abril de 2023, o governo estadual editou um decreto que alterou a alíquota do ICMS, temporariamente, de 18% para 20%. Porém, uma cláusula determinava que a medida valia apenas para 2023, com o valor do imposto retornando ao patamar anterior a partir de 2024, ou seja, aos 18%.

O Governo do Estado enviou à Assembleia Legislativa um projeto que mantinha a alíquota na casa do 20% a partir de 2024, porém a proposta foi rejeitada pelos deputados. O Rio Grande do Norte foi o único dos nove estados do Nordeste a reduzir a tarifa. Na época da votação, o Governo alertou que a mudança prejudicaria a prestação dos serviços públicos.

Confira a nota completa da Secretaria de Estado da Administração:

GOVERNO DO RIO GRANDE DO NORTE

NOTA

Relativo as recomendações do MPRN sobre medidas para o controle do gasto com pessoal, o Governo do RN também compartilha dessa preocupação e já vem atuando nesse sentido.

Em 2023 e 2024, 70 mil servidores do Executivo não tiveram recomposição salarial, alguns desde 2020 estão com seus subsídios congelados, a despeito do que acontece com os servidores dos demais poderes do RN, que vem proporcionando a devida revisão anualmente.

Acontece que, a exemplo de outros estados, o Rio Grande do Norte tem sofrido com interferências nas suas receitas. Em 2022, com a redução da alíquota do ICMS incidente sobre combustível e energia elétrica promovida pelo Governo Bolsonaro, o Estado deixou de arrecadar mais de R$ 1 bilhão anualmente. Em 2024, com a redução da modal de 20% para 18%, o RN estima perder em torno de R$ 700 milhões no ano em receita. Esses fatos estão influenciando diretamente nos indicadores do Executivo Estadual.

Vale ressaltar que equilibrar as finanças do RN é uma prioridade da gestão da governadora Fátima Bezerra. Isto posto, é correto afirmar que o Governo vai continuar atuando para alcançar esse objetivo, tanto pelo lado da despesa, como da receita.

Natal, 04 de junho de 2024.
Secretaria de Estado da Administração

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.