PSOL aposta em jovem feminista como pré-candidata a prefeita de Natal
Natal, RN 21 de jun 2024

PSOL aposta em jovem feminista como pré-candidata a prefeita de Natal

11 de junho de 2024
5min
PSOL aposta em jovem feminista como pré-candidata a prefeita de Natal
Foto: reprodução

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O PSOL vai apostar em uma ex-vereadora e ex-diretora da União Nacional dos Estudantes (UNE) como pré-candidata à Prefeitura de Natal. Camila Barbosa, de 28 anos, foi escolhida na noite desta segunda-feira (10) para representar o partido nas eleições de outubro.

De acordo com a pré-candidata, o PSOL já começou uma série de debates de construção programática, antes mesmo de definir um nome ou se teria candidatura própria ou não. 

“Fizemos um debate sobre as demandas das mulheres em Natal, sobre a demanda da negritude. Agora nós estamos querendo construir um a respeito das lutas ambientais”, diz.

A escolha pelo tema não foi à toa. Camila diz que, com as chuvas das últimas semanas, a capital potiguar ficou intransitável. Ela diz que a cidade não está preparada para receber as mudanças climáticas, que fazem parte de um contexto mundial. 

“E aí a gente quer debater as lutas ambientais, como também, diante dessa nova atualização do Plano Diretor que vai chegar à Câmara Municipal, que flexibiliza ainda mais as normas ambientais, a gente também pode se posicionar para fazer o combate e colocar as bandeiras principais do PSOL também em discussão para que o povo de Natal saiba que existe uma alternativa consequente nesse cenário de 2024 nas eleições municipais”, enfatiza.

Moradora da Zona Oeste, na Cidade da Esperança, uma de suas bandeiras será a mobilidade urbana, defendendo a criação de uma empresa pública de transporte e o Passe Livre. O próprio Robério Paulino, vereador do PSOL na Câmara Municipal, já apresentou um texto sobre a criação deste tipo de empresa.

“Há muitas décadas Natal sofre na mão da máfia da Seturn, que não passa por licitações legítimas, não existe transparência em relação às contas dessas empresas de ônibus privadas e que sempre privilegiaram lucros acima de um serviço de qualidade que não é prestado à população. Então, nós achamos que uma alternativa é a criação da empresa de transporte público”, aponta.

Ao falar também sobre a necessidade do passe livre, a socialista diz que muitas cidades no país já adotam pelo menos alguma modalidade de gratuidade.

“Mas em Natal nós não temos essa discussão. Não há nada em debate a respeito disso, porque não é prioridade da atual gestão também pensar os problemas mais urgentes da vida do povo, entre eles o transtorno que os natalenses vivem todos os dias com a mobilidade urbana. E nos últimos anos, eu acho que ficou mais latente ainda. Com a pandemia nós vimos as frotas de ônibus serem reduzidas, muitas linhas mudarem o seu percurso sem aviso prévio à população. O serviço reduziu as ofertas, que não foram repostas desde então”, critica.

Unidade da esquerda

No último congresso estadual, o PSOL aprovou resolução eleitoral que o orientava a construir uma unidade de esquerda nas eleições em Natal para derrotar o bolsonarismo e a direita tradicional. Diálogos com Natália Bonavides (PT) foram feitos, mas a unidade tornou-se inviável quando houve a incorporação de partidos como o MDB e da extrema-direita como o PRD, sinalizando uma aliança eleitoral vetada inclusive pelo Diretório Nacional do partido. 

“Nos últimos meses, o PSOL tem concentrado esforços para construir as lutas do funcionalismo público na Câmara Municipal”, diz ela, exemplificando com o mandato de Robério Paulino, eleito em 2020, mas com o seu próprio. Em dezembro do ano passado, Paulino se afastou por um mês da Casa legislativa e Camila assumiu como porta-voz do mandato coletivo Juntas. 

“Nós fizemos uma batalha muito altiva contra as medidas de Álvaro Dias, então é uma tarefa que há algum tempo também a gente se concentra para dar conta de construir um novo projeto político para a cidade. No congresso do partido nós aprovamos essa resolução, desde então temos conversado especialmente com a companheira Natália, a quem nós temos muito respeito e estivemos juntas em muitos desses atos que eu mencionei, nas batalhas que nós demos contra a gestão de Álvaro Dias na prefeitura, mas infelizmente a candidatura de Natália tem tomado rumos diferentes de quando nós começamos essa conversa”, comenta Barbosa. 

“Hoje as alianças que estão colocadas tem a ver com partidos burgueses que o PSOL, na própria resolução nacional que aprovou no último diretório, veta e que para nós não faz sentido, no combate à extrema direita, também fazer alianças com setores da direita de alguma maneira. Então, por isso, a gente começou no partido a dialogar com os filiados, com os dirigentes das organizações internas e dispomos o meu nome para que fosse capaz de defender um programa mais conectado, mais representado pelo que o PSOL defende nacionalmente”, explica.

Quem é

Camila Barbosa é ex-presidente do PSOL em Natal, ocupa a primeira suplência do partido na Câmara Municipal de Natal. No final do ano passado, tornou-se vereadora pelo primeiro mandato coletivo da história da cidade: o Juntas por Natal. Na UFRN, onde se formou pedagoga, iniciou sua trajetória política no movimento estudantil, a partir do qual tornou-se diretora da União Nacional dos Estudantes (UNE) — maior entidade estudantil da América Latina. 

Apesar de jovem, com apenas 28 anos, tem larga experiência em processos eleitorais, tendo sido candidata a deputada estadual em 2018, a vereadora em 2020 e a deputada federal em 2022.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.