Mulher que denunciou vizinhas por racismo em condomínio de Natal receberá ato de solidariedade na sexta (16)
Natal, RN 13 de jun 2024

Mulher que denunciou vizinhas por racismo em condomínio de Natal receberá ato de solidariedade na sexta (16)

12 de dezembro de 2022
4min
Mulher que denunciou vizinhas por racismo em condomínio de Natal receberá ato de solidariedade na sexta (16)

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Em solidariedade a Flávia Carvalho, vítima de racismo que foi agredida por vizinhas, no condomínio Quatro Estações, localizado no bairro de Candelária, Zona Sul de Natal, será realizado um ato na próxima sexta (16), a partir das 17h, em frente ao residencial, como forma de protesto.

Flávia, que é gerente de vendas e tem 36 anos, foi agredida física e verbalmente por duas vizinhas, mãe e filha, que moram na mesma torre de Flávia, uma num apartamento no mesmo andar e outra, alguns andares acima.

O caso ocorreu no dia 7 de dezembro e, desde então, Flávia se mudou com as duas filhas, uma menina com 9 e outra de 14 anos, para a casa de parentes, onde permanece até agora.

Ainda não me sinto segura para voltar para casa”, relatou nesta segunda (12).

De acordo com a vítima, as duas mulheres continuam circulando livremente pelo condomínio sem que nenhuma penalidade fosse aplicada até o momento. Flávia Carvalho também explicou que a síndica passou por uma cirurgia na última sexta (9).

A Agência Saiba Mais tentou contato com a administração do condomínio, mas nossas ligações e mensagens não foram respondidas.

Ato solidariedade contra Racismo

Tolerância zero

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), se manifestou publicamente sobre o caso em suas redes sociais. Ela classificou o caso de racismo como “abominável” e garantiu que providências já foram adotadas.

Relembre o caso

Flávia Carvalho por duas vizinhas quando saía para o trabalho no último dia 7 de dezembro: Regina dos Santos Araújo, que mora no mesmo andar de Flávia e é mãe da outra agressora; e Suedja Marcia dos Santos Araújo, que mora na mesma torre da mãe e de Flávia, porém, em um andar diferente.

A vítima relatou que desde que registrou uma reclamação por barulho no livro de ocorrências do condomínio, passou a ser perseguida pelas mulheres. No dia da ocorrência, antes mesmo de sair de casa, a vítima registrou com o celular uma das vizinhas fazendo ameaças em sua porta. Na sequência, ao sair de casa para o trabalho, ela foi abordada pela mãe e agredida pela filha. Parte das agressões foram registradas pela câmera do circuito interno de segurança do elevador. Flávia registrou dois boletins de ocorrência (BO), sendo um por injúria racial e outro por lesão corporal.

Ontem [na quarta], armaram uma emboscada na minha saída de casa pro trabalho. Fui surpreendida, enquanto esperava o elevador. Suedja subiu pelas escadas, acionada pela mãe Regina, que neste momento me xingava e me distraia até a chegada da filha. Suedja me atacou pelas costas, de surpresa, me derrubou. Ao chão, Regina me puxava pelos cabelos e me segurava pelos ombros, enquanto Suedja proferia golpes no meu rosto e me dizia que ‘uma negra nojenta como eu não merecia morar ali, que não era bem vinda, que ia aprender a respeitar’. Eu, em choque, só pensava em manter a porta do elevador aberta pra conseguir sair dali”, denunciou Flávia em suas redes sociais.

Veja o vídeo da agressão:

Saiba +

Vídeo: Mulher que denunciou vizinhas em condomínio da Zona Sul de Natal por racismo e lesão corporal está em casa de parentes

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.