Belch Bar: três anos de resistência com empreendedorismo feminino
Natal, RN 21 de abr 2024

Belch Bar: três anos de resistência com empreendedorismo feminino

15 de fevereiro de 2024
6min
Belch Bar: três anos de resistência com empreendedorismo feminino
Imagens: cedidas

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Se é complicado começar um empreendimento cultural, Ariane Cavalcanti destaca que os empecilhos aumentam para as mulheres. Mas a avaliação não desestimulou a produtora e empresária natalense e, nesta sexta-feira (16), o Belch Bar comemora três anos. A festa terá show de Jo Bay, a partir das 20h de uma noite de homenagens ao espaço e à obra de Belchior, inspiração que dá nome ao espaço.

Em atividade desde o Carnaval de 2021, o bar está localizado em Candelária, bairro considerado conservador e de pouca agitação cultural, mas central, o que facilita o acesso ao público de diversas regiões da cidade.

Ariane Cavalcanti e Jo Bay

Com atrevimento, Ariane se inseriu sozinha no mercado que considera majoritariamente masculino: “A mulher é vista como uma presa fácil em todos os campos. Pros negócios, é sempre alguém passível de ser passada pra trás, que não pode orientar, visto que é tida como de inferior capacidade; que mesmo em posição de cobrar, se o faz é rígida, porque é uma mulher dizendo a um homem o que ele deve fazer. É necessário imposição pra ter o respeito que deveria existir sem disputa.”

Atualmente, apenas a cozinha é fixa. Os garçons são freelancers. Conta que está sempre tentando priorizar mulheres, mas nem sempre é possível. “Eu busco fornecedoras mulheres, trabalhar sempre com mulheres desde sempre. Mas, a dificuldade de encontrar mão-de-obra impede que esse seja um facilitador e agregador para contribuir com a igualdade de gêneros nas funções”, explica.

Espaço cultural

Ariane, que antes tinha uma empresa de frutos do mar, lembra que quando pensou em criar um novo negócio não queria apenas vender bebidas, mas sim um espaço cultural. Daí vieram as ideias do tema e de como conduziria a realização de eventos.

“Eu desejava empreender na área e busquei um nicho que pouco se explora na cidade, a temática. Resolvido isso desejava que não fosse somente um bar, mas um espaço em que a música fosse o carro-chefe, aliada a outras expressões de arte. Homenagear Belchior se tornou certo aí, posto que é um dos maiores letristas do país, que tem na sua obra lítero-musical essa abrangência artística que desejei. Trabalhar em um ambiente que faz referências diversas ao meu ídolo era um caminho pra que fosse prazeroso também pra mim.”

Com música ao vivo, a cada três meses procura fazer um show maior.  Assim, apresentaram-se na casa: Daíra, artista do Rio de Janeiro que canta Belchior; PC Silva e Joyce Alane, pernambucanos da nova cena; o paraibano Seu Pereira; e Alice Caymmi, que esteve pela primeira vez em Natal para um show no Belch Bar, que acabou se transformando em duas sessões para atender à alta demanda do público.

Também realiza a cada ano tributo a Belchior Natal. No primeiro evento, contou com a presença da filha do Belchior, Vannick Belchior. Em 2022, o artista Silvério Pereira, que tem show em homenagem a Belchior, marcou presença.

“Além das produções do bar, trabalho como produtora fazendo catering pra shows de outros artistas em grandes eventos/shows, e trimestralmente produzo um show de artista que já atinge público nacional que dificilmente são convidados a vir pra Natal por requerer grandes investimentos e públicos, desenvolvi o projeto com shows intimistas, pra 100/120 pessoas alterando esses custos e gerando a possibilidade de que esses artistas venham.”, detalha, ao lamentar a falta de incentivo do poder público.

“Falta incentivo dos órgãos de cultura a espaços como esse meu, voltado à arte e a receber artistas locais durante períodos em que eventos públicos não estão ocorrendo. Essas pessoas precisam de espaço para trabalhar e para que o público tenha acesso. Receber esse incentivo como ponto cultural seria muito importante para a existência do espaço que já vem há três anos existindo, mas tem se tornado praticamente impossível.”

Ariane diz que a demanda limitada por MPB no cotidiano restringiu o funcionamento às sextas e aos sábados. “A gente tem um público na cidade mais voltado para o sertanejo e forró. Manter um espaço em que outro nicho é atendido financeiramente não é tão interessante. Por isso há poucos espaços. Já busquei Fundação José Augusto e Funcarte sem êxito.”  

E elege “Apenas um Rapaz Latino Americano” como música que representa essa relação com o Belch Bar. “Ele versa sobre as dificuldades de se fazer um negócio com poucos recursos, em um lugar em que sobrenomes são sim muito importantes pra que as coisas aconteçam. Eu poderia fazer essa relação por toda a dificuldade que se enfrenta pra produzir arte quando você não tem família que tem acessos e grana suficiente.”

Belch Bar
Local: Rua Manoel de Abreu, 1828 – Candelária
Funcionamento: aberto sextas e sábados, das 18h30 às 2h

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.