CIDADANIA

Bolsonarista antivacina morre de covid-19 em Currais Novos, no RN

O currais-novense Edson Faustino Campos, de 37 anos, conhecido também como Neném, seguia a cartilha do bolsonarismo e morreu de covid-19 nesta segunda-feira (27) sem ter se vacinado contra a doença. Ele estava internado no Hospital Regional Mariano Coelho, em Currais Novos, e não apresentava comorbidades.

Edson era filiado ao Partido Social Cristão (PSC) e chegou a se candidatar a vereador em 2020, recebendo apenas 9 votos no pleito. Trabalhava com marketing multinível e durante a pandemia fazia campanha contra a vacinação, apesar de não haver muitas publicações que abordem diretamente do tema em suas redes sociais.

Em janeiro deste ano, compartilhou um vídeo em que o músico Tico Santa Cruz faz sátira com as fake news disseminadas pelo presidente Jair Bolsonaro sobre a vacinação. O rockeiro diz que as pessoas vacinadas apresentaram descamação nos pés em decorrência de um chip em forma de plasma injetado para que a população seja controlada por uma inteligência alienígena. Edson diz que se trata de uma “mensagem subliminar que alerta contra a NOVA ORDEM MUNDIAL, também cita os Iluminatis, a pirâmide do sistema, assim como também a REDUÇÃO DA POPULAÇÃO EM MASSA e o controle total dos povos através de um só LÍDER MUNDIAL”.

No dia 20 de dezembro, o irmão de Edson, Ernando, publicou no Facebook um pedido orações. “(…)motivos que levaram ele a ter essa doença é irrelevante nesse momento, ele não tomou a vacina, infelizmente temos algumas decisões na vida que tem consequências boas ou ruins (…)”, disse.

O boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde de Currais Novos informa sobre o óbito de “paciente do sexo masculino, faixa etária entre 31 e 40 anos, diagnosticado via RT- PCR”. “O paciente não apresentava outras comorbidades preexistentes e não tinha registro de vacinação contra covid”.

No texto, a Prefeitura de Currais Novos lamenta e emite condolências à família da vítima. Em seguida, pede à população para continuar usando máscara, higienizando as mãos e evitando, se possível, locais com aglomeração.

“A vacinação é a forma mais eficaz de frear a contaminação e o surgimento de novas variantes do coronavírus. Apenas a imunização em massa protege todas as pessoas e diminui o risco de contágio. Optar pela imunização completa contra o coronavírus é proteger não apenas a si próprio, mas também toda a sociedade”, publicou a Secretaria.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais