CULTURA

Isa e Os Bandoleiros apresentam síntese de jazz autoral na Cervejaria Resistência

Em temporada no Brasil, a cantora e compositora norte-americana Haley Isadora apresenta o show “A Voz Grave” com a sua banda potiguar, Isa e Os Bandoleiros. Neste sábado (13), a síntese jazzística será na Cervejaria Resistência, em Ponta Negra, e no dia 26, no Bardallos Comida e Arte, Cidade Alta.

Junto com Haley, constroem o repertório autoral: Renato Carvalho (sax), Bruno de Lira (guitarra), Gabriel Tomalá (baixo elétrico) e Anderson Mello (bateria). O espetáculo também contará com a participação do poeta Thiago Medeiros.

Foto: Vlademir Alexandre

Sem raízes brasileiras, mas “replantada” aqui, a artista mostra intimidade com a cena cultural potiguar e com o português. “A Voz Grave” se refere a um dos poemas de Thiago que Haley musicou. Foi originalmente publicado no livro Motriz (2019). Os dois se conheceram em uma edição do projeto Insurgências Poéticas – sarau coletivo e selo literário que Thiago integra e em que Haley já fez participações musicais.

A ligação inicial da cantora com o RN se deu por meio do companheiro, Rafael Freire, que conheceu na faculdade, nos Estados Unidos, mora atualmente.

“Eu sou de lá, ele é de Natal. Quando a gente se formou viemos para cá. Eu não falava português ainda, mas conseguia me comunicar com pessoas através da música. Comecei minha carreira de cantora em Natal, sempre em parceria com músicos daqui. Isso foi de 2012-2015”, conta.

Em 2015, o casal se mudou para São Paulo, onde viveu por três anos. Batizada Haley Isadora Riemer-Peltz, durante esse período no Sudeste usava o nome Haley Peltz.

“Tive a oportunidade de estudar na Escola Estadual de Música (EMESP) e cantar em casas de show pela cidade. Consegui voltar várias vezes para me apresentar em Natal e manter vivas minhas parcerias”.

Pensou que usar Haley Isadora poderia confundir o público sobre sua origem, já que soa brasileiro o segundo nome. Quando se formou, mestra em Composição e Arranjo de Jazz na Universidade de Massachusetts, Amherst em maio de 2021, mudou de ideia. “Eu me senti finalmente livre para assumir o nome que sempre gostei mais. Também estava na época de lançar meu primeiro disco, Undercurrents [produzido com a pianista Molly Flannery e lançado em 2021], então foi uma oportunidade para apresentar meu nome junto com o meu trabalho”, lembra.

 

De acordo com Haley, esse nome vem do bisavô. Isadore era um nome comum para homens judeus da geração da virada do século 19 para 20. É associado aos nomes tradicionais Israel e Isaque/Isaac.

“É uma coincidência que eu acho muito linda. Não tenho raízes aqui, mas me replantei. Meu vínculo afetuoso, que se transformou em música, brotou aqui. Sempre fui muito acolhida, e amo e me identifico com o povo. Também sou daqui. Gosto de usar um nome que me aproxima dessa comunidade”, explica Isadora, que acrescenta brasilidade não apenas a si, mas também à música que faz. Sua produção dialoga com clássicos da música brasileira, blues, brega e baile.

O show da banda é produzido por Wisla Ferreira e Pam Dutra, artistas cênico-visuais que integram a coletiva Corpo Cria. Juntas lançaram também os clipes “Supersticioso” e “Nós Tamos Junto” em janeiro e junho de 2022, respectivamente. Estes dois clipes vão compor o EP visual junto com o clipe de “A Voz Grave.”

Serviço | Isa e os Bandoleiros apresentam: A Voz Grave

13 de agosto, às 19h
Cervejaria Resistência
R. Leonora Armstrong, n° 35 – Ponta Negra

26 de agosto, às 21h
Bardallos Comida e Arte
Rua Gonçalves Lêdo, n° 678 – Cidade Alta

Entrada:
R$10 antecipada
R$15 na hora
Reservas pelo pix: (84) 98669-0985
Nome: Haley Isadora Riemer Peltz
Enviar comprovante para (84) 98669-0985

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais