UFRN suspende pagamento de bolsistas e fornecedores por causa de bloqueio do Mec
Natal, RN 20 de jul 2024

UFRN suspende pagamento de bolsistas e fornecedores por causa de bloqueio do Mec

6 de dezembro de 2022
3min
UFRN suspende pagamento de bolsistas e fornecedores por causa de bloqueio do Mec

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) não tem mais dinheiro para pagar bolsistas, auxílios e fornecedores. O anúncio foi feito pela pró-reitoria de Administração (Proad) por meio de uma circular divulgada nesta segunda (5). A suspensão dos pagamentos, que estavam programados para ocorrer nessa semana, ocorre em decorrência do bloqueio orçamentário mais recente do governo Bolsonaro, realizado no dia 28 de novembro, no valor de R$ 3,8 milhões.

Sem previsão de desbloqueio do orçamento, também estão suspensos por prazo indeterminado os pagamentos de diárias, passagens, auxílio financeiro a estudantes, taxas de inscrição em eventos, reembolsos e qualquer outra despesa que demande empenho e /ou reforço de empenho.

Além do bloqueio dos R$ 3,8 milhões realizado durante um jogo do Brasil no final de novembro, a Universidade já havia sofrido um corte de R$ 23 milhões este ano e um bloqueio de mais R$ 8,8 milhões em outubro. As únicas demandas que continuam garantidas são aquelas atendidas por Termos de Execução Descentralizada (TED), pedidos de material, de reserva técnica e as demandas essenciais das unidades localizados no interior do Estado quando em deslocamento ao campus central para buscar suprimentos e/ou materiais.

O documento informando a suspensão dos pagamentos foi encaminhado a todas as pró-reitorias da UFRN; aos coordenadores dos cursos de graduação; pós-graduação stricto sensu; diretores e secretários de centros acadêmicos: CT, CCET, CCS, CCSA, CCHLA, CB, CERES; diretores de centro; vice-diretores e secretários de centros ou unidades acadêmicas especializadas; chefia; vice-chefia; secretários de qualquer unidade vinculada à administração central; centros acadêmicos e hospitais; chefias de unidades suplementares (SIN, SINFO, COMUNICA, EDUFRN- Titulares); além de chefes e vice-chefes de departamentos acadêmicos.

Em entrevista à Agência Saiba Mais logo depois do anúncio do bloqueio realizado em novembro, o reitor da UFRN, Daniel Diniz, havia comentado que a atual situação de cortes e bloqueios orçamentários realizados nas universidades públicas federais no final do ano, quando as instituições deveriam concluir suas atividades financeiras para o início de um novo ciclo, é algo nunca antes visto no país.

Daniel Diniz (em 1º plano), reitor da UFRN I Foto: cedida
Daniel Diniz (em 1º plano), reitor da UFRN I Foto: cedida

“Nós não temos recursos para honrar nenhum dos nossos compromissos. Inclusive, não temos o financeiro para pagar, por exemplo, as bolsas dos estudantes, porque se a instituição não tem nada de financeiro, ela não tem como fazer nenhum tipo de repasse para absolutamente nada. É uma situação que eu penso que nunca foi vista nas universidades federais. É surpresa o tempo inteiro. Num dia sai uma decisão, no outro dia sai outra, no mesmo dia é alterada”, desabafou.

Saiba +

Vai e vém do governo Bolsonaro tira mais dinheiro da UFRN e reitor lamenta: “situação nunca vista”

UFRN acumula perda de quase R$ 32 milhões em 2022 após novo bloqueio de Bolsonaro na Educação

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.