Bolsonaro quer se salvar nas águas do São Francisco
Natal, RN 25 de jun 2024

Bolsonaro quer se salvar nas águas do São Francisco

8 de fevereiro de 2022
6min
Bolsonaro quer se salvar nas águas do São Francisco

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Nesta terça (08) Bolsonaro está no nosso Estado numa tentativa desesperada de recuperar a popularidade do seu governo as custas das águas da Transposição do São Francisco. A data escolhida aproveitará a correnteza das chuvas que aconteceram neste momento no Rio Piranhas para fakear o volume real da água realmente emitida pelo Velho Chico. Dizer que é uma obra dele será fake. Dizer que a obra está concluída também é fake. Então vamos aos fatos sobre este Projeto bicentenário e seus verdadeiros protagonistas.

Informação da Biblioteca Nacional assegura a existência de documentos de 1810, no final do Brasil Colônia, como primeira referência à Transposição do São Francisco. No entanto, a ideia foi levada a cabo no período do Império, quando D. Pedro II, em 1847, ouviu a proposta de uma equipe de especialistas que ele havia indicado com o objetivo de apontar uma solução para a seca do semiárido nordestino. O imperador brasileiro foi taxativo ao afirmar que “gastaria até a última jóia da coroa, mas realizaria o encanamento (este era o termo utilizado à época) que levaria água do Rio São Francisco até o Ceará. Acabou o reinado de D. Pedro II e ele não gastou nenhuma das joias reais e muito menos fez 1 milímetro de transposição.

Veio a República e passaram 34 presidentes e quase 200 anos até que a primeira escavação fosse feita, o primeiro saco de cimento colocado e, depois disso, fossem construídos centenas de quilômetros do canais da Transposição do Rio São Francisco. Todos e todas sabem o nome do 35º Presidente da República Federativa do Brasil, que tirou o Projeto do papel. Ironicamente, foi um nordestino retirante da seca. É ele mesmo. Todo o Nordeste sabe que a transposição deixou de ser conversa e se tornou realidade no Governo de Luís Inácio Lula da Silva. Lula começou, Dilma continuou e os dois juntos fizeram mais de 90% de uma obra gigantesca que, nos dias atuais, conta com 477 km de canais em dois eixos (leste e norte), contendo 4 túneis de 23 km de extensão, 14 aquedutos, 27 reservatórios, 9 estações de bombeamento, 9 subestações de 230 kv, 270 km de linhas de transmissão e 6 ramais interligados.

Diante deste banho de mais de 400 km de água fria nos planos de apropriação do mérito por Bolsonaro é necessário alertá-lo que até fake News tem limites. Negar esta história é desafiar a inteligência do povo nordestino. O que Bolsonaro tenta fazer neste momento é o mesmo que Temer quis realizar em 2017, quando inaugurou uma obra incompleta e sem nenhuma grandeza política, tentando convencer que a Transposição do São Francisco era mérito de menos de 1 ano de seu mandato golpista. Nem era dele e nem estava completa. De lá para cá a sociedade civil organizada e as autoridades políticas da Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, com a solidariedade de Pernambuco, lutaram pela conclusão da tão sonhada Transposição do São Francisco. Relembro aqui episódios importantes a começar pela memorável inauguração popular feita por Lula e o povo de todo Nordeste, na cidade de Monteiro/PB. Quis Deus que este professor de Geografia e neste momento deputado estivesse naquele ato histórico.

E depois disso, Temer e Bolsonaro abandonaram o projeto da Transposição, sendo necessária a realização de muita pressão popular para provocar a retomada da obra como foi o caso da I caravana das águas, promovida pelos bispos do Nordeste com as participações dos comitês das bacias hidrográficas beneficiadas e a comissão de desenvolvimento regional do Senado Federal, que era presidida naquele momento pela então Senadora Fátima Bezerra. Desde 2019, quando assumi o mandato de Deputado Estadual e passei a presidir a Frente Parlamentar das Águas, que participamos de visitas técnicas às obras do PISF, promovemos debates, integramos a Frente Parlamentar das Assembleias Legislativas dos Estados receptores das águas do São Francisco e articulamos a II Caravana das Águas, cobrando a conclusão da obra e a garantia da inclusão do ramal do Apodi. Tudo isso com o único propósito de não deixar a transposição cair no esquecimento.

Após tudo isso, chega o presidente Bolsonaro querendo convencer o Nordeste que este antecedente não é importante. Se a obra da Transposição fosse comparada a um consórcio poderíamos dizer que Bolsonaro estaria reclamado o recebimento do bem depois que outro pagou mais de 90% das parcelas. Além disso, se faz essencial alertar que a obra não está concluída. O Projeto original da Transposição do São Francisco prevê a entrada de água no Rio Grande do Norte por dois acessos. A primeira é pelo Seridó, através do Rio Piranhas. E a segunda descarga da água do Velho Chico no RN será pelo Alto Oeste por meio do canal do Apodi. Daí uma pergunta de mais de 100 km é aqui colocada: “Cadê o ramal do Apodi?” “Como você dar por concluída uma obra que está incompleta?”.

Não aceitaremos menos do que 100% daquilo que o Rio Grande do Norte merece e a mesma motivação que o povo potiguar teve para pressionar a obra, fazendo com que ela andasse um pouco mais, é a energia que redobra a nossa disposição para seguir cobrando o canal do Apodi. Aproveitamos para alertar a Bolsonaro que acelere o passo em busca da recuperação da sua popularidade com ações concretas, que efetivamente melhorem a vida do povo nordestino, pois esse povo sabe muito bem quem assim atuou na presidência da república e não hesitará em reconduzi-lo ao cargo, em 2023.

Bolsonaro é seca e o povo está querendo inverno.

Francisco do PT é Deputado Estadual e Líder do Governo Fátima Bezerra na ALERN

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.