Denuncia de intimidação do cacique do RN será encaminhada à ouvidoria
Natal, RN 28 de mai 2024

Denuncia de intimidação do cacique do RN será encaminhada à ouvidoria

10 de maio de 2024
5min
Denuncia de intimidação do cacique do RN será encaminhada à ouvidoria
Foto: reprodução redes sociais

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Na tarde da última quinta-feira (9), o Cacique Luiz Katu, do povo Potiguara Katu, denunciou uma tentativa de intimidação que sua família recebeu, após denuncias contra a derrubada de madeira ilegal em um território índigena do estado feita pela liderança. Nesta sexta-feira (10) a Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Coeppir), vinculada à Secretaria de Estado das Mulheres, Juventude, Igualdade Racial e Direitos Humanos(Semjidh), encaminhou o caso a Ouvidoria Geral dos Direitos Humanos da Semjidh para o acolhimento da manifestação e eventuais providências cabíveis.

A Agência Saiba Mais conversou com Luiz Katu que explicou a situação que sua família viveu. “Aconteceu hoje pela manhã, por volta das 10 horas, chegou dois indivíduos num carro na casa de um dos meus irmãos, e acessaram o portão da casa sem permissão. E um desses cidadãos foi até a área né já próxima à cozinha da casa do meu irmão e se deparou com a esposa dele e perguntando se era ali que morava Luiz. Ela perguntou: ‘Que Luiz?’ e ele fez: ‘O cacique’ e ela fez: ‘Não. Aqui não mora o cacique não, quem mora aqui é o irmão dele’”, disse. 

Depois disso, o cacique desabafou que sentiu ameaçado e intimidado, porque o caso ocorreu após a liderança denunciar os desmatamento ilegais feitos por canavieiros na Área de Proteção Ambiental (APA) APA Piquiri-Una, tradicionalmente ocupada por indígenas do povo Potiguara Katu. 

Saiba +: Após denuncias de desmatamento, Cacique Luiz Katu sofre intimidações

Em nota, a Coeppir reiterou a importância de casos como esse serem investigados e reafirmou o compromisso com a Igualdade Racial. Além disso, a Coordenadoria garantiu que vai seguir acompanhando o caso, vai oferecer apoio institucional por meio da Ouvidoria Geral de Direitos Humanos e vai permanecer atenta e disponível para colaborar com as autoridades competentes na busca pelo fortalecimento das políticas de proteção às vítimas de discriminação e violência racial. Confira a nota na íntegra:

“A Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Coeppir), vinculada à Secretaria de Estado das Mulheres, Juventude, Igualdade Racial e Direitos Humanos(Semjidh), tomou conhecimento, nesta quinta-feira (9), das manifestações declaradas nas redes sociais do Cacique Luiz Katu, o qual relata ter sofrido ameaças após denúncias contra a derrubada de madeira ilegal em um território índigena do estado. Após tomar  conhecimento dos fatos, a Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Coeppir) encaminhou o caso a Ouvidoria Geral dos Direitos Humanos da Semjidh para o acolhimento da manifestação e eventuais providências cabíveis.

Reiteramos nosso compromisso com a promoção da Igualdade Racial e o enfrentamento a todas as formas de discriminação, preconceito e violência e por essa razão ressaltamos a importância de que casos como esse sejam devidamente investigados. A Coordenadoria segue acompanhando o caso e garantindo o apoio institucional através da nossa Ouvidoria Geral de Direitos Humanos.

A Coeppir permanece atenta e disponível para colaborar com as autoridades competentes na busca pelo fortalecimento das políticas de proteção às vítimas de discriminação e violência racial.

Reforçamos nosso compromisso em enfrentar todas as formas de violência e discriminação racial e em promover a igualdade para todos os povos indígenas do Rio Grande do Norte.”

Entenda o caso

O cacique Luiz Katu denunciou o desmatamento ilegal de madeiras na Área de Proteção Ambiental (APA) APA Piquiri-Una. De acordo com a liderança, uma área equivalente a 10 campos de futebol onde antes existia uma plantação de mangabas foi derrubada. Segundo ele, os criminosos ainda estariam colocando fogo na região das mangabeiras para desaparecer com o entulho da mata derrubada.

Depois disso, a Procuradoria Geral do Estado do Rio Grande do Norte (PGE/RN), órgão de representação judicial, extrajudicial e consultoria jurídica do governo estadual, iniciou uma investigação sobre a denúncia de desmatamento ilegal, que acabou com a Polícia Federal indiciando, no dia (11) de maio, dois empresários que foram investigados por promover desmatamento não autorizado no município de Espírito Santo/RN, mais precisamente na Área de Proteção Ambiental Piquiri-Uma,  no território Potiguara Katu.

O desmatamento, realizado para fins de plantio de cana-de-açúcar, teve o dano ambiental constatado por meio de exame pericial, que ainda demonstrou uma vasta derrubada de mangabeiras na área de coleta de mangaba dos rurícolas da etnia “Catu”, que encontram-se sob regularização perante a FUNAI, como indígenas.

Leia também:
PGE investiga desmatamento em área ocupada por indígenas no RN
Canavieiros desmatam ilegalmente área ocupada por indígenas no RN

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.