Quem me dera ao menos uma vez…
Natal, RN 14 de jul 2024

Quem me dera ao menos uma vez...

17 de março de 2019
Quem me dera ao menos uma vez...

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Nesta semana, aturdida por tragédias públicas e privadas, li entrevista do psicólogo Christian Dunker sobre o massacre aos alunos da escola pública Raul Brasil, de Suzano-SP. Na sua fala, o que mais me chamou a atenção foi ter apontado para o comportamento narcisista dos atiradores, a preocupação com o sucesso da performance – botas, roupas, máscaras, armas exóticas, fotos antes do “espetáculo” nas redes sociais, e a certeza de que estavam sendo filmados, pois conheciam a escola, da qual foram alunos – para a construção da imagem de heróis que o ato lhes renderia.

Se havia tanta preocupação com a performance, me pareceu óbvio que havia um público a quem dirigiam suas ações, e, até aquele momento, eu não entendia quem seria. Não demorou, vieram as informações sobre a participação dos dois atiradores em grupos de conversa na chamada dark web ou deep web (o submundo da internet, onde não se pode identificar o IP, a localização dos usuários), conhecidos por serem criados e frequentados por sujeitos homofóbicos, misóginos, racistas e pedófilos (entre outros adjetivos). O “heroísmo” da ação seria, então, destinado a comover esse público. E, pelo que se soube depois pela imprensa, parece ter alcançado seu objetivo.

Mas, na minha percepção, ainda faltava uma peça nesse quebra-cabeça: a identificação do inimigo. Seria a escola? Os colegas? O “sistema”? Muitos sinais foram deixados como mensagem: a agressividade das roupas, as botas de combate, a máscara de caveira dos “supremacistas” brancos (no rosto moreno do rapaz genuinamente brasileiro, ou seja, miscigenado)... mas os alvos também foram muitos: mulheres, homens, adolescentes, adultos, pessoas sem religião identificada, pessoas de várias etnias... afinal, quem seria o inimigo?

A tosse e as dores no corpo da virose pós-carnaval, aliadas a um drama pessoal em andamento contribuíam para que a confusão no meu raciocínio aumentasse. Nas telas do computador e da tv, um novo rosto aparecia ligado a um outro atentado brutal, desta feita, na longínqua Nova Zelândia. Não pude de imediato me ocupar com a desgraça da hora. Minhas razões pessoais me comprimiam e roubavam de mim a atenção que tenho para o mundo. Somente depois do desfecho do enredo que me tomava, pude ler as notícias e ver as imagens produzidas pelo próprio australiano e “supremacista” branco, enquanto matava covardemente homens, mulheres e crianças muçulmanas ocupadas com suas preces e encurraladas dentro de duas mesquitas.

O australiano também se valeu da internet profunda para planejar e distribuir fartamente as imagens de sua performance violenta para o mundo e, especialmente, para seus iguais. No seu caso, o inimigo era claro: pessoas de outra cultura (muçulmanos) com os quais ele disputava território, quer seja na Oceania, quer seja nas terras de seus ancestrais, o Reino Unido. E a clareza no objeto da ira do australiano deixava, para mim, o objeto dos nossos brasileirinhos ainda mais confuso.

Diante de tanta dor e incompreensão das coisas que estava sendo obrigada a viver, precisei ir ao cinema. Esse hábito de tirar a atenção da minha vida por duas horas já me salvou algumas vezes de enlouquecer. Fui assistir ao blockbuster Capitã Marvel. Fui ver como o discurso feminista tinha sido aproveitado pelo mainstream. Cheio de efeitos visuais e sonoros, com muitos atores premiados, com a presença à la Hitchcock de Stan Lee e com um roteiro bem feitinho, o filme cumpriu sua missão de me deixar “no modo avião” por um tempo. Mas durante a projeção, não deixei de fazer mentalmente a observação: “nossa, eles nunca perdem uma oportunidade de saudar sua bandeira e sua nação”. Me pareceu uma “pachecagem”, como nós brasileiros diríamos, exaltar a bandeira americana, mesmo estando sob o tacão do Trump. Mas, confesso, acostumada que estou ao gesto por parte dos norte-americanos e decidida a não pensar muito, deixei passar. Precisei tossir muito, perder mais algum tempo na internet e assistir a outras bobagens da Marvel (agora, série) para a “pachecagem” da Capitã fazer minha ficha cair. Os norte-americanos, ganhando a II Guerra Mundial, perdendo a Guerra do Vietnam, tendo eleito Obama ou tendo eleito Trump, nunca alteram sua autoestima elevada.

Entre nós, sinto que a autoestima que, em geral, é muito baixa e – apesar de alguns surtos, como durante as Copas do Mundo, por exemplo – só faz diminuir a cada vitória. Parece que os séculos de opressão colonialista nos convenceram de que não somos dignos de nosso paraíso ou dos nossos sonhos. A ideia que embasa o comportamento de muitos protagonistas de atos brutais que temos visto ultimamente contra nossa noção de civilidade e sociedade é a de que, por nossa culpa (e pode substituir essa palavra por indolência, preguiça, miscigenação e outras...), não fomos colonizados por algum povo de maior valor que os portugueses, aos quais rebaixam categoricamente. Aos expulsarmos os franceses do Rio e do Maranhão; os holandeses, do Nordeste; por não conseguirmos que os ingleses ficassem por aqui, não somos hoje iguais aos europeus ou aos norte americanos, esse, sim, ideal supremo! Estaria no nosso passado (nunca no presente) e nos nossos modos de ser as raízes dos problemas econômicos, políticos e sociais que nos devoram desde sempre.

Essa imagem construída a nosso respeito – os incapazes, os va-ga-bun-dos, os preguiçosos que não deveriam nem ser donos das terras que ocupam há séculos – têm sido rejeitada por uns, mas acatadas por muitos. Talvez por isso é que “nossos terroristas mirins” quando foram à carga, escolheram como alvo gente igual a eles próprios: jovens, miscigenados, classe média trabalhadora, moradores de uma cidade periférica da grande metrópole. E talvez pelos problemas com a sua origem, o ataque tenha começado pelas figuras do tio/pai e da coordenadora/mãe. A escola talvez tenha sido usada como palco e alvo por que é lá onde somos obrigados, ao aprender a História, a Geografia, a Matemática, a Filosofia, a nos deparar com a nossa comunidade de origem e de destino, ou seja, sobre nossa igualdade. Os paladinos imberbes, confusos com tantas imagens conflitantes, desejando dar uma lição, atacaram o espelho.

No susto, tentamos atribuir a insanidade do ato à rebeldia natural da juventude, aos abusos do uso da internet e dos jogos, à falta disso ou ao excesso daquilo na vida ou na educação dos jovens. No entanto, temos visto muito mais gente tomando atitudes contra si ultimamente, e nem sempre são jovens assim como esses rapazes de Suzano. Os policiais que agridem outros funcionários públicos que estão na rua reivindicando melhoria de salário e condições de trabalhos; a professora que, por não querer votar no partido do professor, diz ter votado no banqueiro; a moça que escreveu um livro contra a luta das feministas; o LGBT que votou em homofóbico, e tantos outros brasileiros que conhecemos, não estariam também atirando no espelho?

Não existe “SE” na História, dizia uma velha professora da UFBA quando algum aluno perguntava: “E se os holandeses não tivessem sido expulsos?” ou “E se Napoleão não tivesse invadido Portugal?”. Precisamos aceitar nossa história sem os “SE” que nela colocaram. Temos um país-continente que não estava vazio quando foi invadido, lá pelos séculos XV, XVI.... Dessas e de outras invasões, nasceu a nação mestiça que somos, às vezes pacífica, às vezes feroz. Temos criatividade, inteligência e capacidade para construir nosso próprio destino e precisamos urgentemente acreditar nisso e desacreditar as outras falas que produzem sobre nós um efeito punitivo e até de autoimolação. Bonita ou feia, a imagem que vemos no espelho somos nós. E principalmente: não precisamos que ninguém confirme ou concorde com isso. Só assim, de posse da nossa imagem (ou identidade), poderemos fazer escolhas mais adequadas aos nossos desejos e necessidades. E poderemos viver em paz com o espelho e com nós mesmos.

Dedico este texto ao amigo queridíssimo, professor de medicina, médico dedicado que trabalhou por anos no Adolescentro - Brasília, Dr. José Domingues dos Santos Júnior, com quem eu teria discutido sobre esses e outros fatos do nosso país se a vida tivesse nos dado mais tempo.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.