DEMOCRACIA

PSB tem primeira pré-candidatura coletiva de mulheres no RN em busca de vaga na Câmara dos Deputados

A contadora e militante Tatiana Pires lidera o primeiro projeto de candidatura coletiva de mulheres do PSB no Rio Grande do Norte. Pelo menos 15 já se juntaram ao grupo “Mulheres Vivas”, que ainda está em formação e pode crescer.

São profissionais de diferentes categorias que tentam uma vaga na Câmara Federal. Algumas são lideranças comunitárias, outras já foram candidatas em pleitos anteriores, e estão em diferentes municípios do estado: Natal, Serra Caiada, Boa Saúde, Nova Cruz são alguns.

“A gente quer multiplicar não só o voto, mas as ideias, com a construção de plataformas voltadas para as mulheres. Também não devemos deixar de lado a construção macro, a questão das pessoas LGBTQIA+, pessoas com deficiência, questões dos homens… mas o coletivo é voltado para as mulheres, para atender às necessidades das mulheres, principalmente as que vivem em condições de vulnerabilidade, que vivem na periferia, não esquecendo as de classe média, mulheres empreendedoras, porque são mulheres”, diz Tatiana Pires.

Filiada ao partido há mais de 20 anos, Tatiana é secretária estadual de mulheres da legenda, conselheira tutelar suplente, faz parte da Federação de Mulheres. Atualmente é presidenta do Grupo de Escoteiras Wilma de Faria, no bairro Areia Preta, e compõe a direção da União dos Escoteiros do Brasil (UEB-RN). Participa de atividades feministas, como a Marcha Mundial das Mulheres; e coordena desde agosto de 2021 o projeto Meta Coleta Seletiva e reciclagem, que atua em Areia Preta com separação, armazenamento e venda de resíduos sólidos: “Foi um sonho que agora é de todos”.

“Eu vivo em uma comunidade periférica e ela tem problemas, mas ela só vai crescer de forma coletiva. A gente procura fazer a diferença aqui aonde eu moro, em Areia Preta, e por que não fazer isso em outros bairros, na cidade do Natal e em todo o rio grande do Norte e no Brasil? Acredito que dá pra pegar a diversidade de cada um, pensamento religioso, político, em prol de uma coisa: a dignidade humana. O coletivo Mulheres Vivas tem a intenção de somar as diferenças pra colocar em prática esse ideal único, que é a dignidade humana”, conta Tatiana, que é carioca filha de uma natalense com pai baiano, falecido quando ainda era criança. Aos nove anos de idade mudou-se para Natal, com a mãe e dois irmãos. Mora na mesma rua até hoje e lá teve seu filho. É preta, mãe solo.

O interesse pela política surgiu quando estudava no Colégio Atheneu. Foi presidente do Grêmio; tesoureira da União Municipal dos Estudantes Secundaristas (Umes) por dois anos, apoiando a construção da Associação Estudantil do Rio Grande do Norte; ingressou em movimentos de Juventude, de Mulheres; entre 2013 e 2015, assumiu a subsecretaria de Juventude do Estado. Segundo ela, o Ônibus Lilás, de atendimento a mulheres foi projeto dessa época.

“Tenho muito orgulho de ter me inserido nos movimentos sociais e no governo, podendo contribuir com a sociedade, lembrando que também não poderia deixar de lado o crescimento pessoal. Eu me formei em Ciências Contábeis, pelo ProUni; sou técnica em Edificações, pelo Proedu. Sou uma pessoa de comunidade, que passou por dificuldade”, se apresenta. “Minha mãe é uma mulher que passou em concurso público com quase 50 anos de idade. Antes disso, ela fazia faxina, a gente vendia cuscuz, vendia picolé, ajudava muito dentro de casa. Além de ensinar a gente a correr atrás do que é nosso, sempre disse que sem estudo não tem como ser alguém. E eu acredito nisso”, completa a pré-candidata.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais