Quiosqueiros da Redinha realizam protesto contra despejo promovido pela Prefeitura de Natal
Natal, RN 1 de mar 2024

Quiosqueiros da Redinha realizam protesto contra despejo promovido pela Prefeitura de Natal

24 de fevereiro de 2023
3min
Quiosqueiros da Redinha realizam protesto contra despejo promovido pela Prefeitura de Natal

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Prestes a perder a fonte de renda, quiosqueiros da Praia da Redinha, maioria de mulheres, realizaram protesto nesta sexta-feira (24) contra a remoção promovida pela Prefeitura de Natal. Eles foram notificados em 11 de julho de 2022, via declaração assinada pelo prefeito Álvaro Dias (PSDB), sobre a demolição dos quiosques e resistem à saída.

Nesta manhã, houve batucada, diálogo e presença de parlamentares, do Fórum de Direito à Cidade, da Pastoral da Juventude e do Coletivo de Mulheres Rendeiras da Redinha.

Organizados no Coletivo Ginga com Tapioca, representado pela Associação dos Moradores da África e Caiana (Amac), os trabalhadores reivindicam integração e permanência dos quiosques e a execução de um plano ambiental para a área que corrija irregularidades ambientais, sanitárias e ocupacionais na orla.

Caso os pedidos sejam negados, solicitam ainda que quiosqueiros e quiosqueiras recebam o mesmo tratamento que foi dado a quem trabalha no Mercado da Redinha durante a reforma. Diferente dos boxes, não há indenização prevista para o pessoal dos quiosques.

Eles reclamam também da falta de negociação por parte da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur). Questionada pela Agência Saiba Mais, a assessoria do órgão informou que os trâmites são com a Procuradoria Geral do Município, que não atendeu às ligações na tarde desta sexta-feira.

O grupo de trabalhadores recebe apoio jurídico do Centro de Referência em Direitos Humanos Marcos Dionísio (CRDHMD/UFRN).

“Elas denunciaram bastante a política de elitização proposta pela gestão municipal, que foi acionada imprensa, mas não comentou o ato de hoje”, comentou o advogado Pedro Levi, informando que dos 20 quiosques, 18 são de mulheres. Cerca de 60 famílias são afetadas, entre proprietários e funcionários.

“Álvaro Dias tem a oportunidade de dar qualidade urbanística e ambiental à praia da Redinha sem excluir as pessoas e prefere retirar quiosqueiros para implementar uma obra de "urbanização", que na verdade expulsa e apaga essa população, sem ouvir a comunidade. O trator da Prefeitura e do plano diretor não pensa na vida dessas pessoas. E será que sem ouvir os usuários esse projeto vai funcionar?”, publicou o vereador Daniel Valença (PT), que esteve no ato por onde passaram também os vereadores Herberth Sena (PSDB) e Eribaldo Medeiros (PSB), além dos mandatos de Brisa Bracchi (PT) e da deputada federal Natália Bonavides (PT).

SAIBA MAIS: Barraqueiros da Redinha protestam contra retirada de quiosques pela Prefeitura; remoção é política, diz advogado

Imagens desta sexta-feira:

ATUALIZAÇÃO: Todo o processo de negociação com os proprietários e proprietárias de quiosques na Praia da Redinha é feito pela Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur) e não pela Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb), como foi dito inicialmente.

Matéria corrigida em 27.02 às 09:02.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.