Guerra na Europa: que mundo teremos?
Natal, RN 24 de jul 2024

Guerra na Europa: que mundo teremos?

24 de fevereiro de 2023
5min
Guerra na Europa: que mundo teremos?

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Um espectro ronda a Europa - o espectro do urso russo. Todas as potências da velha, e da nova Europa unem-se numa “coalizão de ferro” para conjurá-lo: a OTAN, a União Europeia, os fascistas ucranianos, os falcões de Washington e todos os grandes meios de comunicação se uniram para “cancelar” e massacrar a Rússia.

A Rússia, tentou, durante muito tempo colocar-se na nova ordem mundial como coadjuvante dos EUA, senhores do mundo desde a derrocada da URSS, em 1991, Yeltsin, o traidor beberrão, empobreceu a Rússia e dobrou-se aos interesses dos EUA. Putin, tentou seguir o caminho do pinguço de forma mais comedida. Tentou recuperar um pouco do orgulho russo, mas sua ambiguidade acabou favorecendo os planos de Washington. Putin tentou contemporizar. Talvez achasse que puxando o saco dos oligarcas ocidentais e satanizando o passado soviético, ele seria ouvido. Não deu certo. Os EUA queriam neutralizar a Rússia. Impedi-la de renascer.

Se os EUA não concebessem a Ucrânia como sua base estratégica, nas fronteiras com a Rússia, provavelmente não teriam transformado aquele país no que ele é hoje. Os EUA, desde 1994 interferem diretamente na política ucraniana e foram os operadores norte-americanos que animaram os oligarcas pró-União Europeia a patrocinarem o Golpe de 2014, instalando um regime fantoche, de natureza cada vez mais reacionária e que provou um banho de sangue na região de Donbass.

Muitos progressistas se arrepiam quando alguém se posiciona contra a Ucrânia, afinal é um país sofrido, atacado por um gigante. Tadinho de Zelensky, um medíocre que só existe porque Washington o tolera. Algo que os EUA sabem fazer muito bem, afinal colocar e tirar títeres do poder é a especialidade dos EUA. O objetivo dos EUA, expresso muito claramente com a cooptação dos países do Leste europeu e com a tutela da Geórgia, no Cáucaso, era clara : encurralar e colocar o Urso na Jaula.

Mas, o que tem a ver a Guerra da Ucrânia, que vai se tornando cada vez mais complexa e sangrenta, com a recuperação econômica do Brasil? Afinal, como país pacífico, não temos nada a ver com essa guerra. Na verdade a grande maioria dos brasileiros informados sobre essa Guerra, está ao lado da Ucrânia pois o “urso malvadão” invadiu e, a partir disso, é imperialista e deve ser combatido pela OTAN, que virou um semi-Estado militar, dentro da Europa e a pela própria União Europeia, onde quem manda é a Alemanha e a França.

Sendo exportadora de cereais, assim como a Rússia, a Guerra provocou um colapso nesse mercado e fez desorganizar o sistema de preços dessas commodities mundo afora, resultando em inflação de alimentos. Por outro lado a Rússia, utilizando como arma de guerra o gás natural, também avacalhou o mercado internacional de gás e petróleo. E veio mais inflação.

A Guerra, portanto, desestabilizou a economia mundial, embora a indústria bélica norte-americana aplaudisse de pé a fúria de Biden que, não enganemos, tem o mesmo gosto de sangue que o simpático Obama tinha. Os democratas adoram derramar o sangue dos outros.

Com uma economia mundial desestabilizada, o Brasil, que agora começa a sair do pesadelo fascista-bolsonarista, terá muitas dificuldades em ampliar seu comércio externo, pelo menos nesse primeiro ano, por isso mesmo “Lula Paz e Amor” tenta colocar juízo nas cabeças de Putin e Zelensky. Tudo se resolve num bom papo, diz nosso presidente, que já sente o bafo dos EUA no seu pescoço, exigindo que o Brasil apoie decididamente a Ucrânia.

Sem uma economia mundial em expansão, coisa que não acontece desde 2008, os desafios do novo governo aumentam geometricamente e se, até agora não tocamos no nome da China, é porque este país está dramaticamente sendo arrastado para esse conflito pelos EUA e o Dragão Chinês, cuja diplomacia é gelada, começa a operar silenciosamente para se aproximar do Urso, num movimento necessário já que a abertura de um comércio no Oriente parece ser a saída para destravar a economia mundial.

A Europa abraçou os EUA e a OTAN. Está encalacrada com ele nesse conflito. Fez uma Santa Aliança para derrotar a Rússia e até onde isso irá, não sei dizer. Hoje me parece que a música da banda “Go West”, da banda Village People, lançada em 1979 e relançada por outra banda, Pete Shop Boys, em 1992, numa descarada propaganda anti-russa, está mais firme do que nunca.

Só digo que essa Guerra terá consequências.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.