Escritor Tarcísio Gurgel cede direitos autorais e Chuva de Bala vira patrimônio de Mossoró
Natal, RN 20 de jul 2024

Escritor Tarcísio Gurgel cede direitos autorais e Chuva de Bala vira patrimônio de Mossoró

21 de abril de 2023
6min
Escritor Tarcísio Gurgel cede direitos autorais e Chuva de Bala vira patrimônio de Mossoró

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

"Olha pro céu meu amor
Não é balão colorido, rojão, gambiarra
É chuva de bala
Fumaça poeira e forró
É festa no País de Mossoró"

Cada verso e palavra da peça “Chuva de Bala no País de Mossoró” é agora patrimônio municipal. O texto original que narra a invasão do bando de Lampião em território potiguar é encenado desde 2002 em evento da Prefeitura e já se tornou também parte da história da cidade. Por essa razão, no dia 14 de abril, o autor, Tarcísio Gurgel, assinou termo de cessão dos direitos. A cerimônia, com presença do prefeito Allyson Bezerra e outras autoridades locais, foi realizada no Salão dos Grandes Atos, sede do Poder Executivo de Mossoró.

Com isso, a Prefeitura garante a continuidade do espetáculo e pode levar a história de Mossoró para outros lugares, com anuência do criador.

“Fico feliz. Afinal, a lição dada pela gente de Mossoró precisa ser difundida por todos os lugares possíveis”, declara Tarcísio, que será sempre o autor.

O ato de cessão, regulamentado pela Lei 9.610/98, preserva o direito moral, que mantém o vínculo pessoal do autor com a obra, um direito intransferível e inalienável. Em contrapartida, transmite o direito patrimonial sobre a obra. Ou seja, quem adquire, neste caso, o Município, pode explorar comercialmente o texto.

“Com o mútuo interesse manifestado pelo autor e a Secretaria de Cultura, formatou-se um contrato, no qual a cidade passa a ser detentora dos direitos, respeitada a verdade histórica e o título do espetáculo, além do chamado direito moral de autoria.”, Tarcísio explica.

Tarcísio Gurgel | Foto: reprodução TVU

Quanto aos pagamentos pelo uso da obra, ele revela que era “algo precário” e que dependia sempre “dos bons propósitos da produção do espetáculo e sem uma importância previamente estipulada”.

Em 2016, ele chegou a denunciar na mídia local que estava sem receber.

“Calote. Talvez a palavra pareça muito forte, mas não é!”, desabafou na época em entrevista ao jornal Tribuna do Norte.

Êxito

Há 21 anos, quando o espetáculo foi criado, a intenção era comemorar os 75 anos da resistência do bando de Lampião. Tarcísio comenta que não poderia imaginar que se tornaria um evento permanente no calendário local, mas atribui o sucesso ao público.

“Com as sucessivas montagens que se seguiram à ‘provocativa’ encenação proposta por Antônio Abujamra, despertou um interesse que se mantém há duas décadas. Pela consciência que o mossoroense tem de que aquele episódio - a resistência dos cidadãos sob a liderança do prefeito Rodolfo - é algo digno de ser lembrado.”, justifica.

Foto: Divulgação/Prefeitura de Mossoró

Tarcísio conta também que a relação com os diretores sempre foi de “absoluto respeito”:

“Sempre tive para com os encenadores - sem exceção - um comportamento respeitoso. Toda contribuição dada no sentido de enriquecer a dramaturgia, foi bem-vinda. E o espetáculo cresceu desde a primeira encenação”.

A diretora cênica Diana Fontes foi responsável pelo produto em 2015, 2016 e 2022 e enaltece a relação entre o trabalho e o povo.

“O Chuva de Bala está para o mossoroense e outras paisagens, como o reduto do heroísmo, o supra sumo do orgulho pela terra aguerrida. Eu diria que o texto, em uma ação cênica, no formato opereta, musical, como é o Chuva, é o pontapé inicial, o que nos norteia. A trilha, nos eleva a não materialização, sai do verbo e aguça a imaginação e a plástica, o movimento, nos encanta e seduz.”, avalia.

Em 2023, o diretor geral é Leonardo Wagner, que foi assistente de direção no ano passado e participa da cena desde 2006. Foi cangaceiro, apresentador e os tenentes Laurentino e José Otávio. Experiente no universo desse espetáculo, o artista concorda com a relevância que a obra tem para os cidadãos:

“O Chuva de Bala é para todos nós mossoroenses um marco histórico de bravura e coragem com que tanto nos orgulhamos.”

Leonardo Wagner em Chuva de Bala um Filme (2021)

Lisonjeado com o trabalho, ele promete um resultado cheio de emoção.

“Estar à frente de um projeto dessa magnitude é recompensador. Ciente da minha responsabilidade e alegria de trabalhar em equipe. O espetáculo é construído de várias mãos, desde a produção, equipe técnica, equipe de direção, atores, bailarinos, músicos e bastidores”, diz Leonardo, ao antecipar parte da ficha técnica do grande musical regionalizado.

A edição terá realização da Companhia Bagana de Teatro; produção de Thiago Bento; o assistente de direção é Plínio Sá; direção coreográfica, Roberta Schumara; música, Romero Oliveira; preparação vocal, Cláudia Max; figurinos de Zé Mulher; iluminação de Paulo Lima; direção de palco, Madson Ney; cenografia, Damásio Costa e maquiagem de Joriana Pontes.

“Estou cheio de sonhos para fazer o Chuva de Bala 2023 um espetáculo histórico, do tamanho da cidade de Mossoró, alegre, dançante, interpretações memoráveis e musical.”, confessa.

Inscrições para jovens atores

O elenco ainda não está completo. A Prefeitura de Mossoró abriu na quinta-feira (20) as inscrições para jovens interessados em compor a equipe. A ideia é fomentar a participação de novos atores, atrizes, bailarinos e bailarinas.

As vagas são destinadas a candidatos maiores de 18 anos que estejam participando de alguma atividade artística envolvendo o teatro e a dança.

Os interessados devem preencher formulário eletrônico (Clique aqui) até a terça-feira, 25 de abril, devendo anexar portfólio junto a documentação solicitada. Há opção de se inscrever de forma presencial no Teatro Dix-huit Rosado, entre os dias 20 e 25 de abril, das 8h às 12h e das 14h às 17h.

As audições dos jovens serão nos dias 26 e 27 de abril, das 18h às 20h, na sala de ensaios do Teatro Municipal. Os selecionados receberão auxílio de R$ 800.

Chuva de Bala no País de Mossoró, recontada no adro da Capela de São Vicente - palco do confronto em 1927, poderá ser vista em junho na programação do Mossoró Cidade Junina.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.