Contrato para construção de trincheira nas Avenidas Salgado Filho com Alexandrino de Alencar é cancelado em Natal
Natal, RN 16 de jun 2024

Contrato para construção de trincheira nas Avenidas Salgado Filho com Alexandrino de Alencar é cancelado em Natal

20 de junho de 2023
6min
Contrato para construção de trincheira nas Avenidas Salgado Filho com Alexandrino de Alencar é cancelado em Natal

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Foi cancelado o contrato que havia sido fechado entre a Potiguar Construtora LTDA e a Prefeitura de Natal para a construção de uma trincheira na esquina das Avenidas Salgado Filho com Alexandrino de Alencar, no bairro do Tirol, em Natal. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Município desta terça (20).

O resultado da concorrência para realização da obra, que é uma espécie de túnel, havia sido publicado no dia 20 de abril, com republicação no dia 27 por incorreção. O serviço custaria R$ 24.246.597,73 e havia sido orçado inicialmente em R$ 25 milhões pelo Ministério do Desenvolvimento Regional, com contrapartida de R$ 88 mil da Prefeitura de Natal.

Imagem: reprodução DOM

Onde estão os estudos?

Salgado Filho no sentido Zona Sul I Foto: Mirella Lopes
Salgado Filho no sentido Zona Sul I Foto: Mirella Lopes

No mês de maio completou um ano do pedido de acesso ao projeto e estudos necessários para construção da trincheira feito pelo síndico do Condomínio Tirol Way, Sandro Pachêco, à Prefeitura de Natal. O síndico não recebeu qualquer resposta até hoje.

O condomínio fica no cruzamento onde seria construída a trincheira. A unidade possui 276 salas comerciais, sete lojas no térreo de frente para a Salgado Filho e 110 apartamentos residenciais de 3/4 e outros 94 apartamentos de 2/4. O pedido foi registrado em 11 de maio de 2022. A Prefeitura de Natal tinha 20 dias para responder ao questionamento feito através da Lei de Acesso à Informação (LAI).

Já no dia 14 deste mês, o vereador Daniel Valença (PT) protocolou uma ação popular contra a Prefeitura Municipal de Natal pedindo, em caráter de urgência, o impedimento da construção da trincheira. Na ação, o parlamentar aponta que a obra é inadequada e que não houve uma análise de custo/benefício e estudos  sobre alternativas de soluções possíveis menos impactantes e onerosas.

Também com base na Lei de Acesso à Informação (Lei nº 12.527), a deputada federal Natália Bonavides (PT) solicitou em maio à Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana de Natal (STTU) o projeto completo da obra.

O projeto

Pelos cálculos da STTU, a obra absorveria o fluxo de veículos dos próximos dez anos, que passaria dos atuais 65 mil veículos para 95 mil veículos por dia. Para a construção da trincheira, o cruzamento da Avenida Salgado Filho com a Alexandrino de Alencar ficaria parcialmente interditado pelo período de nove meses, a partir do final de junho. Durante o período de obras, apenas uma mão na Alexandrino e outra na Salgado Filho deveria continuar aberta ao tráfego. Pelo cronograma da Prefeitura, o serviço seria concluído em março de 2023. A partir daí, o semáforo de três tempos que existe hoje no local seria substituído por um para pedestres.

Projeto de trincheira no cruzamento da Salgado Filho com Alexandrino de Alencar elaborado pela Prefeitura de Natal I Imagem: reprodução
Projeto de trincheira no cruzamento da Salgado Filho com Alexandrino de Alencar elaborado pela Prefeitura de Natal I Imagem: reprodução

As críticas

O especialista em trânsito de professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Rubens Ramos, apontou que o engarrafamento ao longo da Salgado Filho nos horários de maior movimento é causado por outros fatores, como os semáforos e engarrafamentos de outros pontos da avenida, como a Nevaldo Rocha (antiga Bernardo Vieira), o que não seria resolvido com a trincheira.

Além disso, o pesquisador aponta que obras como trincheiras tendem a deixar o ambiente hostil a humanos, como nas áreas onde serviços semelhantes foram executados para a Copa de 2014, mas que tiveram a vida comercial esvaziada, como a região da Avenida Capitão Mor-Gouveia, do Sebrae, o final da Romualdo Galvão, a Jerônimo Câmara e a avenida Lima e Silva.

Ciclistas e moradores também protestaram contra a realização da obra. Já ambientalistas alertaram para a derrubada de árvores no canteiro central.

A Agência Saiba Mais procurou a STTU, mas não obteve resposta até a publicação da matéria.

Ciclistas e moradores já protestaram contra obra I Foto: cedida
Ciclistas e moradores já protestaram contra obra I Foto: cedida

Atualização às 12h13

A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana esclarece que a empresa vencedora do certame licitatório para construção de trincheira no cruzamento da avenida Hermes da Fonseca com Alexandrino de Alencar pediu distrato do contrato.

Ao analisar a planilha de custos da obra, a Caixa Econômica Federal identificou a necessidade de algumas adequações, o que não foi acatado pela empresa.

Diante de tal circunstância, o Município deverá, nos próximos dias, convocar a 2a colocada na licitação, a qual, em aceitando as adequações e preços determinados pela Caixa Econômica, será contratada.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.