Parceira da Shein, Coteminas atrasa salários em Macaíba e funcionários protestam
Natal, RN 23 de jul 2024

Parceira da Shein, Coteminas atrasa salários em Macaíba e funcionários protestam

11 de setembro de 2023
2min
Parceira da Shein, Coteminas atrasa salários em Macaíba e funcionários protestam

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Parceira da varejista chinesa Shein no Rio Grande do Norte, a Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) tem atrasado os salários dos funcionários da unidade de Macaíba. Os trabalhadores fazem um protesto em frente à fábrica da empresa na manhã desta segunda-feira (11), num trecho da BR-304.

As denúncias vão de atraso salarial de dois meses, corte de benefícios como plano de saúde, vale alimentação e cesta básica, além de pagamento atrasado das férias.

“Os salários já estão em atraso faz dois meses, e fora isso também está parado nosso INSS, que eles não depositam, o FGTS, e eles não dão nenhum parecer de nada, de quando vão pagar os salários. O sacolão está em atraso, plano de saúde foi cortado”, explicou um operador que conversou com a reportagem.

“Tem muitos trabalhadores passando necessidades, ficando endividados, por conta disso”, disse o funcionário.

Ainda segundo o operador, durante esta manhã nenhum responsável saiu para conversar com os trabalhadores.

Em junho, a Coteminas fez parte do anúncio da chegada da gigante chinesa Shein ao Brasil. A unidade de Macaíba é responsável pela produção das peças de roupas pela empresa de e-commerce.

A fabricação iniciou em julho. Entre as principais peças produzidas estão produtos jeans, em brim e malhas de algodão.

Reincidência

Os problemas na Coteminas não são novidade. Em fevereiro, ao menos duas manifestações foram realizadas na porta da fábrica de Blumenau-SC por atraso de salários, que só caíram na conta depois dos protestos.

No mês passado, o jornal Folha de S. Paulo mostrou que em Minas Gerais - onde a empresa nasceu - há também atraso de salários e demissões de funcionários.

Lá, de acordo com os funcionários ouvidos pela Folha, o FGTS deixou de ser depositado há 22 meses e o salário de julho, que deveria ter sido pago no quinto dia útil de agosto, não havia caído na conta até o dia 18, pelo menos. Em julho, a remuneração do mês anterior só teria sido paga no dia 27.

O presidente da companhia é Josué Gomes, que também preside a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.