Flávio Rocha fez doações para investigados na Lava-jato do RN
Natal, RN 26 de fev 2024

Flávio Rocha fez doações para investigados na Lava-jato do RN

25 de abril de 2018
Flávio Rocha fez doações para investigados na Lava-jato do RN

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O empresário Flávio Rocha, pré-candidato à presidência da República, é a estrela principal nesta quarta-feira (25) de uma matéria publicada no jornal Folha de S.Paulo na qual é citado por ter feito doações em dinheiro a políticos investigados na operação Lava-jato.

A contradição apontada pelo jornal é que o dono das lojas Riachuelo é um defensor moralista da operação anticorrupção.

As doações foram feitas a partidos e políticos investigados. O dinheiro foi repassado por meio das lojas Riachuelo, do grupo Guararapes e até do próprio bolso de Flávio Rocha.

O jornal cita doações para as campanhas de 2010 e 2014 de políticas do Rio Grande do Norte e de outros estados, a exemplo de Paulo Skaf (presidente da Fiesp, que concorreu ao Governo de São Paulo em 2014) e do deputado federal Rocha Loures, o famoso “homem da mala” flagrada pela Polícia Federal com R$ 500 mil, dinheiro que segundo o empresário Joesley Batista seria pagamento de propina ao presidente Michel Temer.

No Rio Grande do Norte, Flávio Rocha fez doações ao ex-deputado federal Henrique Alves (R$ 10 mil e R$ 50 mil, respectivamente), ao governador Robinson Faria (R$ 70 mil, na campanha vitoriosa de 2014), ao senador José Agripino Maia (R$ 50 mil, em 2010) e ao deputado federal Felipe Maia (R$ 50 mil, em 2014).

Mas teve mais.

Embora o jornal Folha de S. Paulo não tenha informado, o empresário Flávio Rocha também fez doações, por meio do grupo Guararapes Confecções, aos deputados federais Rogério Marinho (R$ 20 mil) e Walter Alves (R$ 20 mil), ambas para as campanhas de 2014.

Henrique Alves, Robinson Faria, José Agripino Maia, Felipe Maia, Walter Alves e Rogério Marinho são alvos de investigações no Supremo Tribunal Federal relacionadas às delações de funcionários da empresa Odebrecht, no âmbito da operação Lava-jato. Todos negam ilegalidade nas doações da construtora.

Procurado pelo jornal, Flávio Rocha não quis comentar as doações.

Em nota, o setor jurídico da campanha do empresário informou as contribuições estão dentro da lei e dos limites estabelecidos. E que "Rocha e as empresas repudiam qualquer tipo de corrupção e uso de caixa dois em campanhas eleitorais".

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.