Fábio Faria apaga elogios a Lula e Dilma, bajula Bolsonaro e diz que “democracia é conviver com diferenças”
Natal, RN 21 de abr 2024

Fábio Faria apaga elogios a Lula e Dilma, bajula Bolsonaro e diz que "democracia é conviver com diferenças"

12 de junho de 2020
Fábio Faria apaga elogios a Lula e Dilma, bajula Bolsonaro e diz que

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O novo ministro das Comunicações Fábio Faria (PSD) começou a gestão bajulando publicamente o chefe e distribuindo ataques aos ex-presidentes que apoiou. Após ver a repercussão de várias postagens relacionadas ao apoio que deu e recebeu a Lula e Dilma Rousseff, em eleições anteriores, o deputado federal do Rio Grande do Norte apagou postagens antigas com referências positivas aos ex-presidentes do PT e foi ao twitter nesta sexta-feira (12) para se justificar"

Como se respondesse à rede bolsonarista, Faria disse que votou em Jair Bolsonaro, “por estar insatisfeito com partidos que polarizaram e comandaram o país até 2018”, disse para, num aceno aos apoiadores do presidente, se autointitular como o principal adversário do Partido dos Trabalhadores do Estado potiguar:

“Já votei no PT no passado, sim, mas em 2016, fui a favor do impeachment de Dilma e sou o maior adversário do governo do PT no RN”, disse, antes de complicar:

- A verdadeira democracia é conviver com as diferenças e aceitar a opinião de milhões de brasileiros que, como eu, querem ver as propostas de campanha de Bolsonaro implementadas. Quero um estado liberal”, disse.

Fábio Faria disse vai trabalhar para modernizar e unificar a comunicação do Governo dentro e fora do país:

Genro do empresário e dono do SBT Sílvio Santos, o novo ministro das Comunicações será o responsável por autorizar o pagamento da verba publicitária às empresas.

Segundo dados divulgados pela própria Secom, a emissora do Sílvio Santos foi a segunda empresa de comunicação que mais recebeu dinheiro de publicidade do governo em 2019. Foram 24,7 milhões de reais contra 27,4 milhões pagos a Record, de propriedade do empresário Edir Macedo, o bispo da igreja Universal do Reino de Deus.

Vários veículos e jornalistas criticaram a postura do novo ministro das Comunicações. Um deles foi o colunista do jornal O Globo, Bernardo Mello Franco, que ironizou o fato de Faria apagar postagens antigas enaltecendo Lula e Dilma:

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.