CIDADANIA

Prefeitura retira pertences de pessoas em situação de rua no Baldo, às vésperas do Natal

O Viaduto do Baldo mais uma vez foi desocupado pela Guarda Municipal de Natal nesta quarta-feira (22). Às vésperas do Natal, a Prefeitura deu ordem de retirar barracas e pertences de cerca de 30 pessoas em situação de rua que viviam no local.

“Isso é o que Álvaro Dias faz com a gente”, denuncia em vídeo uma mulher grávida, que ficou sem nada após a ação. “A gente tem título, tem documento, tem família. Aqui mora uma família, não é bandido nem marginal. E a gente não tá ocupando teto de ninguém não. Aqui é um viaduto, um pedaço de terra que é esquecido por vocês”.

De acordo com ela, a abordagem dos guardas foi truculenta: “Tiraram tudo que a gente tinha, o pouco que as pessoas doam pra gente, porque se depender deles, só querem de nós o voto, mais nada. Mas ele bote na cabeça, que nós somos gente, nós não somos bicho não”.

“Devia ter coisa muito mais importante pra eles fazerem, ou então dar assistência. Fazem é retirar o pouco que a gente consegue”, disse outro homem no vídeo gravado após a ação.

Confira vídeo:

De acordo com o coordenador do Movimento Nacional da População em Situação de Rua no Rio Grande do Norte (MNPR-RN), Vanilson Torres, é a quinta vez que a gestão realiza esse tipo de ação antipovo.

“A Guarda Municipal de Natal pela quinta vez retira os pertences das pessoas em situação de rua no Baldo. É uma vergonha, é desumano. Estamos enviando ofício para termos alguma informação”, disse Vanilson, informando que a Defensoria Pública do Rio Grande do Norte programou visita ao local na quinta-feira para ouvir o movimento a população afetada.

As remoções são, de fato, ordenadas pelo gabinete da Prefeitura. A Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência Social (Semtas) informou que tem um trabalho contínuo voltado para a população em situação de rua e que não inclui as remoções forçadas.

A pasta dispõe do Serviço Especializado em Abordagem Social (SEAS), que tem a finalidade de assegurar trabalho social de abordagem e busca ativa que identifique, nos territórios, a incidência de trabalho infantil, exploração de crianças e adolescentes, população em situação de rua, dentre outros.

De acordo com a Semtas, o serviço funciona todos os dias por meio de duas equipes das 8h às 20h e das 12h à 0h até mesmo nos feriados.

O serviço de abordagem tem caráter educativo e encaminha as pessoas para os demais serviços ofertados pela secretaria, como emissão de documentos, inscrição em programas habitacionais, inclusão nos programas de transferência de renda, encaminhamento para os cursos de qualificação profissional para serem inseridas no mundo do trabalho, dentre outros.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais