Após tentar privatizar os Correios, Fábio Faria festeja lucro recorde da empresa
Natal, RN 28 de fev 2024

Após tentar privatizar os Correios, Fábio Faria festeja lucro recorde da empresa

18 de março de 2022
4min
Após tentar privatizar os Correios, Fábio Faria festeja lucro recorde da empresa

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Em 2021, uma das duas principais bandeiras administrativas do ministro das comunicações, o potiguar Fábio Faria, foi lutar pela privatização dos Correios. Ao longo de todo o ano, ele festejava nas redes sociais cada passo do planejamento da venda da empresa - que foi aprovada na Câmara Federal, mas foi barrada no Senado. O ministro não escondia a alegria da celeridade no processo. Mas esta semana, o ministro das Comunicações festejou o lucro recorde da empresa. Os Correios fecharam o ano de 2021 com lucro de R$ 3,7 bilhões Esse valor representa o dobro do registrado em 2020 e o melhor resultado nos últimos 22 anos.

No Twitter, o ministro festejou os números dos correios: "Correios tem lucro RECORDE de R$ 3,7 bilhões! Resultado é mais que o dobro de 2020. 👊🚀", escreveu na legenda de uma imagem de gráfico mostrando os dados da empresa.

No final de 2021, quando a privatização foi barrada no Senado, Fábio Faria reclamou da decisão e chegou a responsabilizar o “ano eleitoral” e o Partido dos Trabalhadores por travar a privatização.

Fábio Faria é o principal articulador da venda dos Correios. Em junho do ano passado, o ministro do RN divulgou um vídeo mostrando uma reunião que ajustava os últimos detalhes do projeto de privatização. Nesse encontro havia sido tratada uma mudança substancial nessa venda. Até então, o Governo Bolsonaro dizia que venderia 70% da empresa. Mas o projeto articulado por Fábio Faria e que foi para o Congresso vendia 100% da estatal.

Postagem de 2021, defendendo a privatização
Postagem de 2021, defendendo a privatização

O plano de Fábio Faria era publicar o edital de privatização dos Correios até o fim do ano passado e realizar a operação até março de 2022. O texto do projeto permitia que serviços postais, inclusive os prestados hoje pelos Correios em regime de monopólio, fossem explorados pela iniciativa privada. Hoje, os Correios têm o monopólio do envio de cartas, telegramas e outras mensagens. Hoje, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos é 100% pública.

Venda afeta 100 mil funcionários
A venda dos Correios mexe com a vida de quase 100 mil funcionários que não sabem o que vai ocorrer com suas vidas profissionais após a privatização. Há o temor - caso ocorra a privatização - que os pequenos municípios do Brasil, que não dão lucro na operacionalização dos postos, deixem de contar com o serviço que, hoje, continua abrangendo todos os municípios do Brasil.

Nas postagens de Fábio Faria ao longo de 2021 não havia detalhes financeiros que justifiquem a venda da empresa. As vagas justificativas apontadas são de que é preciso ‘’melhorar” e “modernizar” os serviços. O presidente do sindicato dos Correios no RN, Shampoo Zen, disse à época que Fábio Faria não recebeu os trabalhadores dos Correios para conversar. “Esse ministro sequer conhece os Correios. Ele não sabe nenhum detalhe da empresa. Vai vender os Correios – uma das mais respeitadas empresas do Brasil, e uma empresa financeiramente lucrativa e independente”, analisa.

Correios no RN
O site dos Correios informa que a empresa está em 5.570 municípios e entrega, em média, 15,2 milhões de objetos postais por dia. A diretoria dos Correios no RN confirmou à Agência Saiba Mais que o Estado conta com 1.200 funcionários e 190 agências distribuídas em todos os 167 municípios do Rio Grande do Norte. Na região metropolitana de Natal, há 8 unidades operacionais e 14 de atendimento.

Segundo o presidente do Sindicato, há quatro anos o número de funcionários dos Correios no RN era de mais de 2 mil trabalhadores. O último grande concurso da estatal ocorreu há mais de 10 anos e um outro, em 2017, foi em áreas restritas. De lá pra cá, houve alguns programas de demissão voluntárias o que diminuiu ainda mais a quantidade de funcionários.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.