DEMOCRACIA

Com Natália e Zenaide, RN ganha oito nomes na transição e mais quatro devem ser anunciados

O vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) anunciou nesta terça-feira (22) o nome de parlamentares que irão compor a equipe de transição para o futuro governo Lula (PT). Entre as novidades, duas potiguares: a deputada federal Natália Bonavides (PT) e a senadora Zenaide Maia (PROS). Com isso, o Estado chega a oito membros na transição; mais quatro devem ser anunciados em breve.

A petista Natália Bonavides integrará o grupo de Cidades, que já conta com 11 membros – entre eles, o líder sem-teto Guilherme Boulos (PSOL). O “combo” desta terça veio com mais oito membros, do PT, PCdoB, PDT e MDB. Com isso, o grupo chegará ao total de 19 integrantes.

“É uma honra ser indicada para essa tarefa. A gente sabe que a política urbana do governo que foi derrotado nas urnas é praticamente inexistente e o nosso trabalho será exatamente esse de implementar um política que traga de volta programas importantes como o Minha Casa Minha vida e a volta do Ministério das Cidades”, pontuou a deputada.

Já a senadora Zenaide Maia fará parte da equipe de Indústria, Comércio e Serviços. Junto com ela, foram anunciados os deputados Zé Neto (PT/BA) e Sidney Leite (PSD/AM).

Assim, Bonavides e Maia se juntam a outros seis profissionais do Estado que já foram anunciados, além dos quatro que já foram definidos pelo Governo, restando apenas o anúncio. Entre eles, estão uma trabalhadora da agricultura familiar, uma dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), uma jornalista e um ex-conselheiro de Juventude.

Os futuros membros serão Josana Lima, Robson Araújo, Jailma Lopes e Laissa Costa. Josana é coordenadora-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Brasil (CONTRAF-Brasil) e coordenadora-geral da FETRAF/RN, e entrará para a equipe de desenvolvimento agrário; Robson é assessor parlamentar do Governo, ex-secretário estadual da Juventude do PT-RN, ex-conselheiro municipal de Juventude de Parnamirim e do estado do RN, futuro membro do grupo de juventude; já Jailma integra a Direção Nacional do Coletivo de Juventude do MST, e também colaborará com a juventude; por último, Laissa Costa é subsecretária do Gabinete Civil do RN, ex diretora da Secretaria Nacional de Direitos Humanos (SDH) e ajudará nos Direitos Humanos.

Outros membros

Antes das parlamentares, o último nome anunciado para a transição havia sido o do psicólogo Alex Reinecke, professor do departamento de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O docente irá colaborar em um relatório da assessoria temática para o tema de Direitos Humanos e Saúde Mental, dentro do núcleo de Direitos Humanos coordenado pela deputada federal Maria do Rosário (PT/RS). 

Além dele, também já fazem parte da equipe o senador Jean Paul Prates, das minas e energia; a advogada Juliana Muniz, da coordenação administrativa; o secretário de educação do RN Getúlio Marques, na educação; o subsecretário da Juventude do RN, Gabriel Medeiros de Miranda, e o subcoordenador de Articulação Institucional da Juventude, Nilson Florentino Júnior, para o grupo de juventude.

De acordo com Araújo, o convite para os integrantes veio de diferentes formas, seja por meio de convites da transição ou do PT Nacional. “E em outros casos através dos grupos de trabalho que estão ampliando os nomes para auxiliar nessa transição, que é muito intenso agora nesse período”, explica.

Nem todos os membros potiguares foram publicizados nacionalmente. Segundo o assessor, isso se deve porque alguns dos membros potiguares estão dentro de “grupos amplos”, chamados de grupos de trabalho ou conselho. 

“Esses grupos maiores estão fazendo o levantamento das ações do governo de forma mais detalhada, dando subsídio para o grupo de trabalho mais político. O GT seria algo mais político para a definição final”, diz.

No núcleo consultivo da Juventude, Jailma Lopes afirma que fará parte de um “espaço que aglutina as pautas das organizações, que ajudam a equipe de transição a organizar e construir as propostas para o próximo governo”. Já Juliana Muniz, da coordenação executiva, diz que seu convite veio por ter sido sempre militante do PT e por “ter estabelecido um vínculo com a história do partido e uma conexão com as demandas reais da nossa sociedade.”

Ex-assessora de Jean Paul Prates, atualmente ela trabalha na liderança do PT no Senado. A coordenação administrativa atua em todas as áreas da transição dando suporte às demais coordenações, como montagem da estrutura de transição, o espaço físico, tecnológico, logístico, recursos humanos necessários ao processo e outras demandas. A advogada atua ainda “no processo de composição das equipes, no debate político e jurídico”, afirma.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo