Para Rogério Marinho, liberação de ex-ministro acusado de facilitar golpe seria “ato de justiça e humanidade”
Natal, RN 13 de abr 2024

Para Rogério Marinho, liberação de ex-ministro acusado de facilitar golpe seria "ato de justiça e humanidade"

8 de maio de 2023
Para Rogério Marinho, liberação de ex-ministro acusado de facilitar golpe seria

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O senador potiguar Rogério Marinho (PL) afirmou que a saída da prisão do ex-ministro da Justiça do governo Bolsonaro, Anderson Torres, seria um “ato de justiça e humanidade”. Torres está preso desde 14 de janeiro, suspeito de ter sido conivente e omisso diante dos ataques aos prédios dos Três Poderes em Brasília, enquanto era secretário de Segurança Pública do Distrito Federal.

A fala de Marinho aconteceu após o senador visitar o ex-ministro no 4º Batalhão de Polícia Militar junto com outros quatro colegas: Eduardo Gomes (PL-TO), Magno Malta (PL-ES) e Márcio Bittar (União-AC) e Jorge Seif (PL-SC).

“Acabamos de sair de uma visita ao ex-ministro Anderson Torres, que se encontra preso há mais de quatro meses em prisão temporária, hoje cinco senadores que representam os 42 que assinaram o documento solicitando o acesso, para nós a libertação de Anderson é um ato de justiça e de humanidade”, disse Marinho em sua página oficial no Twitter.

Torres foi ministro da Justiça de Bolsonaro de março de 2021 até o fim da gestão em dezembro de 2022. Em janeiro deste ano, após Bolsonaro ser derrotado nas urnas, o delegado deixou o cargo e assumiu como secretário no DF, mas durou pouco. Com os ataques antidemocráticos de 8 de janeiro, momento em que estava viajando para os Estados Unidos, foi exonerado. 

O documento dos senadores a que Rogério Marinho se referiu foi assinado por 38 parlamentares. Eles pediram ao STF uma permissão para visitar Torres na prisão. O gesto foi acatado pelo ministro Alexandre de Moraes, que permitiu as visitas apenas em grupos de cinco.

Na lista, estão ex-ministros bolsonaristas proeminentes, como Tereza Cristina, Damares Alves e Sérgio Moro, além de nomes como o ex-vice-presidente Hamilton Mourão. Além de Marinho, o também potiguar Styvenson Valentim (PODE) assinou o pedido de visita a Anderson Torres. Ao Novo Notícias, entretanto, Valentim negou que tenha interesse em ir à cela do Batalhão da PM.

“Assinei o requerimento a pedido do Senador Eduardo Girão, mas não quer dizer que eu participe das visitas, inclusive não tenho nenhum interesse nisso”, justificou.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.