Com técnicas de relaxamento, UFRN abre curso para reduzir estresse dos estudantes; saiba como se inscrever
Natal, RN 22 de abr 2024

Com técnicas de relaxamento, UFRN abre curso para reduzir estresse dos estudantes; saiba como se inscrever

20 de agosto de 2023
2min
Com técnicas de relaxamento, UFRN abre curso para reduzir estresse dos estudantes; saiba como se inscrever

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A UFRN vai realizar pela terceira vez um curso voltado para combater o estresse dos estudantes. O evento “Calma na crise na Universidade” será executado em parceria com o Instituto Visão Futuro e ocorrerá ao longo de nove encontros, sendo cinco virtuais e quatro presenciais. As inscrições podem ser feitas até 28 de agosto por formulário.

Os estudantes vão aprender técnicas que estimulam relaxamento, gerenciamento de estresse, formas de respiração tranquilizantes, relaxamento profundo, concentração e meditação. Nas aulas, também são apresentados filmes educativos e são organizadas dinâmicas de grupo.

O público prioritário do curso é de estudantes com quadro de ansiedade, de depressão e de sintomas de estresse.

A professora do Departamento de Biofísica e Farmacologia (DBF), Vanessa Rachetti, e a coordenadora do Instituto Visão Futuro, Susan Andrews, são as responsáveis pelo ensino aos discentes. Os encontros on-line são realizados por Susan. A coordenadora ensina a parte teórica das técnicas que devem ser realizadas, enquanto a prática fica sob comando de Vanessa Rachetti.

As técnicas de relaxamento e de respiração ajudam em diversos aspectos, como diminuir a inflamação crônica, fortalecer o sistema imunológico, acalmar o sistema nervoso simpático, gerenciar o estresse e nutrir os neurotransmissores de bem-estar. Segundo a docente Vanessa Rachetti, há um retorno significativo dos alunos que participaram.

“Eles aprendem a respirar melhor e, com isso, lidam melhor com as situações. A ação é muito positiva e surgiu de uma demanda dos discentes do Centro de Biociências que estavam com sintomas de ansiedade e depressão. Como eu já praticava as técnicas e, também, fazia parte do Instituto, nós resolvemos estabelecer essa parceria”, conta a professora.

Com informações de Rayssa Vitorino, da Agecom/UFRN 

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.