Promotora Érica Canuto diz o que escreveria na redação do Enem 2023
Natal, RN 14 de jul 2024

Promotora Érica Canuto diz o que escreveria na redação do Enem 2023

6 de novembro de 2023
3min
Promotora Érica Canuto diz o que escreveria na redação do Enem 2023
Foto: MPMS

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

“Eu não sou tão triste assim, é que hoje eu estou cansada.” A promotora de Justiça de Defesa da Mulher do Ministério Público do Rio Grande do Norte, Érica Canuto, comenta que poderia ter usado a frase da escritora Clarice Lispector se fizesse a Redação do Enem 2023 (Exame Nacional do Ensino Médio). A prova aplicada no domingo (5) apresentou o tema “Desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela Mulher no Brasil“.

A Organização Internacional do Trabalho define que o “trabalho de cuidado” reúne atividades e relações envolvidas na satisfação das necessidades físicas, psicológicas e emocionais de adultos e crianças, idosos e jovens, debilitados e saudáveis.

Os textos motivadores da Redação abordavam a importância dessas tarefas realizadas em maioria por meninas e mulheres e como isso gera desigualdade entre os sexos; uma tabela do IBGE indicando a diferença entre o tempo que homens e mulheres gastam nesse tipo de trabalho; e breve análise do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) sobre transformações sociais ao longo das últimas décadas a respeito das convenções de gênero.

Érica Canuto possui pós-doutorado em Democracia e Direitos Humanos pelo lus Gentium Conimbrigae – Centro de Direitos Humanos da Universidade de Coimbra/Portugal, atua como professora da graduação e do programa de mestrado em Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e é autora dos livros “A masculinidade no banco dos réus”, “Princípios especiais da Lei Maria da Penha” e “Paradigmas de Acesso à Justiça Integral para Mulheres Vítimas de Violência”. Confira entrevista:

Agência SAIBA MAIS: Para a luta das mulheres, qual a importância de ter esse tema no Enem, com a visibilidade que ele dá?

Érica Canuto: Ter quatro milhões de pessoas pensando sobre o tema já obriga a pensar sobre, incomoda, mexe no que está parado. E isso é bom. Muitos se perguntaram: e que trabalho de cuidado é esse que as mulheres fazem?

Como você está enxergando a repercussão dessa escolha do Inep?

A repercussão é a melhor, tanto em conhecimento quanto em educação para a igualdade de gênero. Saber que pessoas estão ouvindo e se informando que mulheres estão cansadas, exaustas, e que esse trabalho invisibilizado do cuidado com as crianças, idosos, doentes tem sobrecarregado mulheres com o dobro de horas semanais a mais do que os homens dedicadas a este trabalho e que isto se constitui em papel de gênero cobrado de geração em geração, fazendo com que mulheres percam chances de estudar, trabalhar, descansar, ocupar espaço público, ao tempo em que lhes é cobrado um sacrifico como que um martírio. “Uma boa mãe se sacrifica pelos filhos”. Nada disso é natural, mas é imposto culturalmente, acentuando a desigualdade de gênero.

Quais argumentos poderiam ser usados na prova?,

É preciso abordar o tema sob a perspectiva de gênero para enxergar essa desigualdade sociocultural trazendo à evidência a vulnerabilidade da mulher no espaço doméstico. É urgente pensar na participação de todos nas atividades domésticas e de cuidados.

Um recurso muito usado em redações são as citações. Se você estivesse fazendo essa redação, colocaria alguma?

Eu não sou tão triste assim, é que hoje eu estou cansada. Clarice Lispector.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.