Exposição urbana reivindica o direito de solitude da mulher
Natal, RN 18 de mai 2024

Exposição urbana reivindica o direito de solitude da mulher

20 de março de 2024
6min
Exposição urbana reivindica o direito de solitude da mulher
Imagem: Divulgação.

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A artista urbana e feminista Catarina Santos desafia os paradigmas contemporâneos com sua mais recente exposição, "Só/Sola". Esta coleção única é composta por oito painéis de lambe-lambe, em espanhol e em português, espalhados pela cidade de Natal, e tem como objetivo mergulhar nas profundezas da experiência feminista, explorando a escolha consciente de uma vida em plena solitude consagrada, ou seja, o isolamento voluntário em busca da independência. A exposição acontece durante a última semana de março, pelas ruas da capital potiguar.

"Só/sola" é uma narrativa visual que desafia os conceitos convencionais de feminilidade e identidade. Cada painel é uma janela para o mundo interior da artista Catarina Santos, que reflete sobre as palavras que mais escuta em uma cidade que ela identifica como tóxica no que diz respeito à forma de lidar com as questões complexas da saúde mental e de sua jornada pessoal de autoconhecimento e autodeterminação. Os “lambes” serão expostos em oito locais da cidade de Natal onde ela já sofreu algum tipo de violência. “Natal é uma cidade maravilhosa, mas eu quero que a cidade saiba como ela também é tóxica, principalmente para as mulheres”, afirma Catarina.

A artista já passou por diversas violências, sendo elas presenciadas tanto em relacionamentos abusivos – tendo conseguido inclusive medida protetiva de violência psicológica contra um ex-parceiro –, como diversas represálias policiais em 2013, durante as manifestações contra o aumento na passagem de ônibus e a favor do passe livre. “Nessa época das manifestações, a mídia caiu em cima de mim, e eu recebi vários xingamentos, que estarão presentes nos lambes”, afirma Catarina.

O único local que não terá exposição será a zona norte, e Catarina explica o motivo: “As violências que passei foram principalmente na zona leste e sul. Por enquanto, a zona norte é um lugar maravilhoso que não me causa dano. Então eu não quero que ela receba essa intervenção”.

A ideia de “Só/Sola” é reivindicar o direito da mulher de estar sozinha. “Eu sou uma pessoa que escolhi estar só, e essa concretização do estar só é essa intervenção artística. Tenho 36 anos e não pretendo ter filhos, nem marido. E essa é uma decisão bem tomada, e dificilmente as pessoas podem tomar essa decisão. Nós mulheres podemos escolher estar sozinhas e isso não é nocivo a nós”, defende Catarina, que também ressalta e reconhece que, por ser branca, pode ter esse poder de escolha.

A temática central das obras de arte de "Só/sola", então, é a escolha de uma mulher de viver fora dos padrões sociais tradicionais. “A gente busca a independência sozinha, solitária. Mas essa não é uma solidão ruim, mas sim de solitude. De você poder arcar com seus próprios desejos. Por não ter filhos, eu não tenho muitos gastos, posso viajar e ser livre”, diz a artista.

Catarina convida o público a refletir sobre as pressões culturais que muitas vezes definem o valor de uma mulher com base em seu status matrimonial ou em sua maternidade. Como divulgado pelo projeto, “Só/sola desafia essas normas, celebrando a coragem e a integridade daqueles que escolhem seguir seus próprios caminhos, mesmo que isso signifique enfrentar uma sagaz solidão”.

A exposição lança luz sobre as complexidades e os desafios enfrentados por mulheres que escolhem trilhar um caminho menos convencional, seja pelos preceitos sociais ou escolhas particulares. A exposição inspira um diálogo necessário sobre a liberdade individual e a busca pela realização pessoal, independentemente das expectativas externas.

Sobre a artista

Catarina Santos é conhecida por sua abordagem intimista urbana e provocativa em suas obras, que mesclam das artes visuais ao universo literário com seus textos públicos e particulares. Com uma carreira dedicada à defesa dos direitos das mulheres e à promoção da igualdade de gênero, suas obras são uma expressão eloquente de sua visão de um mundo mais inclusivo e justo. 

"Só/sola" é mais uma prova do compromisso de Catarina em desafiar as normas sociais e inspirar mudanças através do status quo social por meio da arte de forma transversal.

Exposição urbana

A exposição estará presente em oito locais diferentes da cidade, na efemeridade do urbano durará até que a urbe esvaia suas obras, convidando os transeuntes a mergulhar na experiência artística em espaços públicos e privados. Ela estará em exibição a partir da data de 31 de março até os painéis não serem degradados pela própria dinâmica da cidade.

Para mais informações, entrevistas ou imagens em alta resolução, entre em contato com Catarina Santos em [email protected] ou whatsapp/ligações (84) 996745488.

Confira os locais onde a exposição estará disponível

  • Viaduto do baldo, na Cidade Alta
  • Viaduto de Ponta Negra
  • Parada do circular da UFRN
  • Avenida Coronel Estevam, no Alecrim
  • Centro da cidade
  • Ribeira
  • Viaduto da Arena
  • Rua dos Caicós

Obs.: de acordo com as circunstâncias da urbe os novos locais serão informados.

Serviço

O quê: Exposição urbana Só/Sola.

Onde: Em pontos da cidade de Natal/RN.

Quando: Última semana de Março.

Produção: Ateliê Santa Catarina / Artista: Catarina Santos.

Essa reportagem faz parte do projeto “Ser Mana, Mulher", idealizado pela Agência SAIBA MAIS para produção de pautas dedicadas a temas que impactam diretamente a vida das mulheres, ao tempo que contamos as histórias de Mulheres.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.