PEC pode privatizar ‘terrenos de marinha’ em praias; entenda
Natal, RN 19 de jun 2024

PEC pode privatizar ‘terrenos de marinha’ em praias; entenda

27 de maio de 2024
6min
PEC pode privatizar ‘terrenos de marinha’ em praias; entenda
Foto: Cleuton Rosa Silva

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado debate nesta segunda-feira (27) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 3/2022. A matéria transfere, por meio de pagamento, os chamados terrenos de marinha aos seus ocupantes particulares. A transferência ainda é feita de modo gratuito quando os terrenos são ocupados por estados ou municípios.

Os terrenos de marinha correspondem a uma faixa de 33 metros na costa marítima brasileira, medidos a partir da Linha do Preamar Média (LPM) — que considera as marés máximas do ano de 1831 — até o continente.

Segundo o governo federal, esse ano foi tomado como referência para dar garantia jurídica às demarcações, pois, caso contrário, o terreno de marinha poderia avançar cada vez mais para dentro do continente, ou das ilhas costeiras com município, tendo em vista o avanço das marés ao longo dos anos. Além das áreas ao longo da costa, também são demarcadas  as margens de rios e lagoas que sofrem influência de marés.

Imagem: arte Agência Câmara

Segundo a PEC 3/2022, os terrenos de marinha continuam sob o domínio da União quando utilizados por concessionárias e permissionárias de serviços públicos e unidades ambientais federais, além das áreas não ocupadas, e são transferidos gratuitamente se estiverem sob ocupação de estados ou municípios. 

Por outro lado, passam ao domínio pleno dos foreiros e dos ocupantes regularmente inscritos no órgão de gestão do patrimônio da União até a data de publicação da Emenda Constitucional (caso o texto seja aprovado). 

Quem tenha feito ocupação irregular também pode pagar para ter a posse do terreno, desde que a ocupação tenha ocorrido pelo menos cinco anos antes da data de publicação da Emenda Constitucional e seja “formalmente comprovada a boa-fé”. O texto da Câmara dos Deputados recebeu parecer favorável do relator Flávio Bolsonaro (PL-RJ).

No início deste mês, o Observatório do Clima — uma coalizão de organizações da sociedade civil brasileira para discutir mudanças climáticas — elencou um “pacote da destruição” que ameaça direitos socioambientais, e citou a PEC 3/2022. Para o Observatório, a proposta consolida ocupações em terrenos de marinha sem as cautelas necessárias com relação à importância dessas áreas, “que inclusive poderão ser diretamente afetadas pelo aumento do nível do mar”; pode consolidar ocupações instaladas de forma totalmente inadequada; e atende os interesses dos grandes empresários do turismo.

Já no ano passado, foi a vez do Observatório das Metrópoles manifestar sua posição contrária à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 3 de 2022. Este observatório é um Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) sediado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). 

Para o grupo de pesquisa, a PEC “cria condições para que esse patrimônio seja destruído, na medida em que pode extinguir o instituto dos terrenos de marinha, possibilitando a sua entrega gratuita ao interesse privado, sem nenhuma contrapartida ao interesse coletivo quanto ao uso e ocupação desta parte do território nacional.”

De acordo com o Observatório das Metrópoles, a existência dos terrenos de marinha vem desde as primeiras leis criadas no Brasil quando o país conquistou sua soberania como nação, momento em que esses territórios foram constituídos como domínio da União. O grupo explica que, em sua origem, essa regulação tinha fins militares, mas ao longo da história se transformou em instrumento de fundamental importância na garantia do interesse público no uso e ocupação da faixa costeira das cidades brasileiras. 

“Com efeito, tem servido como ferramenta para a proteção dos territórios das comunidades caiçaras, por meio do Termo de Autorização de Uso Sustentável (TAUS), para a construção de conjuntos habitacionais populares, para a garantia da moradia de ocupações de interesse social por meio da regularização fundiária, para a salvaguarda do livre acesso às praias e para a proteção ambiental de mangues e restingas, entre outras áreas sensíveis”, aponta.

Em 2022, a proposta que retira a propriedade exclusiva da União sobre terrenos de marinha já havia sido aprovada na Câmara dos Deputados. A votação teve dois turnos e, na segunda votação, recebeu 389 votos a favor e 91 contra. Da bancada potiguar, somente Natália Bonavides (PT) foi contrária. 

Walter Alves (MDB), João Maia (antes no PL, hoje no PP), Beto Rosado (PP), Carla Dickson (ex-PROS, atualmente no União Brasil), General Girão (então no PSL, hoje no PL) e Benes Leocádio (ex-Republicanos, hoje no União Brasil) apoiaram a proposta. Rafael Motta, então no PSB, não esteve na votação.

Orla de Natal

A discussão sobre a privatização dos terrenos de marinha acontece no mesmo momento em que tramita na Câmara Municipal de Natal um projeto enviado pelo prefeito Álvaro Dias (Republicanos) para regulamentar a ocupação das Áreas Especiais de Interesse Turístico Paisagístico (AEITPs). 

Em Natal, são cinco dessas áreas que, com a regulamentação, vão poder ter prédios de até 65m. Para as demais áreas, que não são AEITP, o máximo permitido para toda a cidade é de 140m.

Para a AEIPT 1, referente à orla de Ponta Negra, o gabarito se mantém em 7,5m. Na Via Costeira, a altura máxima permitida será de 15m. Na Orla Central (Praias do Meio, dos Artistas e do Forte), o gabarito máximo de altura permitida é de 21m na primeira quadra, 27m na segunda quadra, e 60m na terceira quadra em diante — quanto mais próximo da praia, menor a altura. Já na Praia da Redinha, o gabarito é de 30m e, nas Dunas do Guarapes, 7,5m.

O coletivo Salve Natal ainda lançou um abaixo-assinado contra o projeto de lei. A principal justificativa que o coletivo aponta para lutar contra a verticalização da orla da capital é a preservação do meio ambiente, um debate que tem sido cada vez mais frequente após as fortes enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul. Vale lembrar que, no estado gaúcho, foram diversas as flexibilizações em normas voltadas a preservar o meio ambiente promovidas pela gestão do governador Eduardo Leite (PSDB).

Saiba mais

Abaixo-assinado defende a não verticalização da orla de Natal; confira

Entenda o que representa regulamentar construções na orla de Natal

Regulamentação de construções na orla de Natal preocupa moradores

Prefeito envia projeto para regulamentar ocupação da orla de Natal

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.