MST inicia ocupação com 80 famílias em usina desativada em Ceará-Mirim
Natal, RN 24 de jul 2024

MST inicia ocupação com 80 famílias em usina desativada em Ceará-Mirim

7 de dezembro de 2020
MST inicia ocupação com 80 famílias em usina desativada em Ceará-Mirim

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) iniciou no sábado (5) uma nova ocupação no Rio Grande do Norte. O acampamento foi batizado de Resistência Popular Pedrosina e fica no distrito de Raposa, em Ceará-Mirim.

Mais de 80 famílias se reuniram para formar a ocupação que é a 11ª da região. Atualmente, o MST está presente em 10 fazendas da antiga usina açucareira São Francisco, de acordo com o dirigente da Brigada Carlos Marighella, Paulo Neto, que coordena 27 acampamentos nos municípios de Ceará-Mirim, São Gonçalo do Amarante, Extremoz, Taipu, Barra de Maxaranguape e Ielmo Marinho.

“O local não atendia demanda de produção, a gente tem acampamento que vai fazer 15 anos de luta e resistência. Irmã Dorothy e Chico Santana são os mais antigos”, diz Paulo Neto, lembrando que chegaram em 2005, quando a usina já estava falida.

O dirigente conta que, no sábado, as famílias chegaram por volta das 17h para a demarcação de piquetes. Após erguer a bandeira do Movimento deram início à construção das barracas. “O segundo passo é o início da produção, tendo em vista que o inverno já está vindo”, narra o dirigente, avisando que o setor de produção regional planeja o cultivo de culturas locais, como batata, macaxeira, banana, maracujá e feijão.

Resistência Popular Pedrosina é a 11ª ocupação em Ceará-mirim / foto: cedida

MST coordena mais 20 mil famílias assentadas no RN

No Rio Grande do Norte, o MST tem produção agrícola, pecuária e de pesca. De acordo com o diretor estadual do MST, Hilder Andrade, são numerosas as famílias que reivindicam terras no estado.

“Hoje em média o MST tem cerca de duas mil famílias assentadas [em unidades agrícolas estabelecidas pelo Incra – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária como medidas da Reforma Agrária]. Porém, ao todo, passa de 20 mil as famílias em todo o estado. Temos um total de 4.200 famílias potiguares acampadas”, contextualiza.

A produção agropecuária do MST é vendida geralmente em feiras locais, no próprio acampamento, para comunidades vizinhas, e ainda a atravessadores que levam para mercados.

Trabalhadores sem-terra doaram 15 toneladas de alimento durante pandemia

Durante a pandemia os trabalhadores fizeram doações às periferias de João Câmara, Natal, Mossoró e Ceará-Mirim e também para acampamentos em Ceará-Mirim, João Câmara, Macaíba e Canguaretama. Foram cerca de 15 toneladas de alimentos enviadas a quem precisa.

Com o Projeto Feira Solidária, em parceria com a UFRN, o MST destinou três toneladas de alimentos para famílias carentes dos municípios de Macaíba, Baía Formosa e Natal. E em parceria com o Governo do Estado, por meio do programa RN+Protegido, foi doado para os acampamentos e assentamentos 10 mil mascaras de tecido e 2.500 litros de álcool 70% para prevenção da covid-19. Os assentamentos também contribuíram com a confecção de mais de 20 mil máscaras.

Ação do Estado 

O Governo do RN assinou nesta segunda-feira (7) um convênio de repasse para a agroindústria que vai beneficiar diretamente 104 famílias de assentamentos em Ceará-Mirim e Pureza. a intenção é diversificar e melhor a qualidade dos produtos ofertados no mercado, com a construção de unidades de beneficiamento (UB) de frutas para produção de doces, geleias e polpas, e de milho para produção de cuscuz crioulo.

Os recursos vêm de emendas parlamentares da deputada federal Natália Bonavides (PT) e somam quase R$ 2 milhões. A UB de frutas será construída no Projeto de Assentamento Nova Esperança Rosário, em Ceará Mirim, e vai beneficiar diretamente as 57 famílias que fazem parte da Associação dos Trabalhadores Rurais da Agrovila e, de forma indireta, mais de 500 famílias pertencentes aos projetos de assentamento do entorno.

Já a UB de Milho será construída em Pureza, no Projeto de Assentamento Bernardo Marim, contemplando de forma direta 47 famílias assentadas e, indiretamente, 249 dos projetos de assentamento da região.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.