Condenados por racismo estão proibidos de assumir cargos comissionados no RN
Natal, RN 26 de mai 2024

Condenados por racismo estão proibidos de assumir cargos comissionados no RN

6 de outubro de 2021
Condenados por racismo estão proibidos de assumir cargos comissionados no RN

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Condenados por racismo estão proibidos por lei de ocupar cargos comissionados na administração estadual do Rio Grande do Norte. A nova legislação, elaborada pelo mandato do deputado Francisco do PT, foi publicada na edição desta quarta-feira (6) do Diário Oficial do Estado, com sanção da governadora Fátima Bezerra.

A sanção ocorre quase um mês depois do caso de tortura a que foi submetido o quilombola Luciano Simplício, no município de Portalegre (RN). A vítima foi amarrada, espancada e torturada numa via pública da cidade. Duas pessoas foram indiciadas, o comerciante Alberan Freitas e o servidor público do município de Viçosa André Barbosa.

A proposta, de acordo com o parlamentar, encontra fundamento na Carta Magna quando essa preconiza em seu Art. 3º que são objetivos da República Federativa do Brasil reduzir as desigualdades sociais e regionais e promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

O deputado estadual Francisco do PT é o autor da lei / foto: Eduardo Maia / ALRN

Segundo o autor da lei, deputado Francisco do PT, “existe um racismo estrutural no Brasil, por mais que algumas poucas vozes falem que não. As estatísticas, informações, dados sobre empregos e salários, mortes, violências das mais diversas sofridas, ocupação de cargos públicos e eletivos, tudo isso corrobora com a tese do racismo estrutural. Nesse sentido, é fundamental que seja construído pela sociedade e Estado brasileiros um arcabouço institucional e legislativo que combata esse racismo estrutural”.

Em 20 de setembro, o Governo do Estado  anunciou a criação do Departamento de Proteção a Grupos em Situação de Vulnerabilidade (DPGV) dentro da estrutura da Polícia Civil, o que inclui uma delegacia específica de combate a crimes de intolerância e discriminação.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.