CIDADANIA

Ex-diarista de Macaíba (RN) muda de vida depois de participar de Campeonato Mundial de Xadrez na Polônia

Moradora da cidade de Macaíba, na região metropolitana de Natal, Cibele Florêncio, de 24 anos, trabalhava fazendo faxinas quando teve a oportunidade de participar do Campeonato Mundial de Xadrez, realizado entre os dias 26 e 30 de dezembro de 2021, na Polônia.

Cibele, que começou um novo emprego este mês no setor de limpeza do Hospital Rio Grande, que também se tornou seu patrocinador, e vai começar a estudar Educação Física na Uninassau por causa de uma bolsa de ensino, teve sua história publicada em uma matéria no jornal Folha de São Paulo desta segunda (28).

A enxadrista potiguar aprendeu a jogar na escola, por causa de aulas obrigatórias de xadrez. Em sua primeira competição, aos 9 anos, saiu como vice-campeã. De origem humilde, a jovem nunca teve tempo para se dedicar aos treinos, como faria uma jogadora profissional. Em 2014 o projeto acabou e Cibele passou a praticar o xadrez sozinha. Um ritmo de treino bem diferente das oito horas de dedicação exclusiva que enxadristas profissionais costumam ter.

Foi graças aos ex-patrões que ela conseguiu pagar os R$ 150 de inscrição para o Campeonato Nacional, de onde saiu como vice-campeã. Foi com esse resultado que ela conseguiu a vaga para o Mundial, porém, a inscrição no valor de 300 dólares, além de passagem e hospedagem, era por conta dela.

Mesmo tendo conseguido levantar algum dinheiro por meio de uma vaquinha, o valor ainda estava bem distante do mínimo necessário. Foi um dos diretores do hospital que hoje patrocina Cibele que pagou a passagem aérea e a hospedagem da enxadrista. Os ex-patrões ainda entraram com o passaporte, que a jovem não tinha, e com as roupas de frio.

Apesar de ter ficado entre os últimos lugares no Mundial, o treinador da equipe olímpica feminina consultado pela Folha apontou que Cibele jogou de maneira impressionante e que a jovem tem um grande talento e nível elevado. Apesar do trabalho e da faculdade que está para começar, Cibele espera um dia poder se dedicar integralmente ao xadrez, como fazem os atletas.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo