MLB: dono de terreno da ocupação é empresário com negócios bilionários
Natal, RN 22 de fev 2024

MLB: dono de terreno da ocupação é empresário com negócios bilionários

1 de fevereiro de 2024
4min
MLB: dono de terreno da ocupação é empresário com negócios bilionários
Foto: Canindé Soares

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A Poti Incorporações, proprietária do terreno em que está a ocupação do Movimento de Luta em Bairros (MLB) em Petrópolis, bairro da zona leste de Natal, pertence ao empresário Marcelo Alecrim, que é o ex-presidente da Alesat, quarta maior distribuidora de combustíveis do país.

Ao final de 2022, a rede de postos da Alesat respondeu por 2,6% do total de distribuição de combustíveis automotivos no Brasil, segundo o Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis publicado em 2023.

A Alesat possui negócios bilionários: marca por trás dos postos de combustíveis ALE, a distribuidora estipulou a meta de alcançar um faturamento no ano passado de cerca de R$ 20 bilhões, 25% a mais que o registrado em 2022, que foi de R$ 15,9 bilhões.

Somente em 2022, a ALE atendeu aproximadamente 7,4 mil clientes, entre eles 1,5 mil postos com a marca ALE, 3,4 mil postos “bandeira branca” e 2,5 mil grandes consumidores. É também uma das 50 maiores empresas do Brasil.

A ALE foi fundada em 1996 a partir da fusão da distribuidora mineira ALE Combustíveis e da potiguar Satélite Distribuidora de Petróleo (Sat) que, por sua vez, havia sido criada por Marcelo Henrique Ribeiro Alecrim. A rede possui cerca de 1,5 mil postos e 8 mil clientes ativos em 21 estados e no Distrito Federal. Diz ainda gerar por volta de 12 mil empregos diretos e indiretos.

Alecrim é nascido em Natal e já presidiu também a Alesat. Em 2018, o grupo suíço Glencore adquiriu 78% da rede brasileira. Com isso, Alecrim assumiu a posição de Presidente Executivo do Conselho de Administração da ALE e continuou à frente dos negócios, desta vez com 22% de participação na empresa. No ano passado, o potiguar deixou a presidência do Conselho e divulgou uma carta aberta em que contou parte de sua história:

“A ALE foi um sonho que se tornou realidade, desde um pequeno posto de gasolina no interior do RN, dirigido pelo meu saudoso pai. Foi SAT, cresceu na persistência e amadureceu como ALE, uma das 50 maiores empresas do Brasil e a quarta no ranking de distribuição de combustíveis”, escreveu.

O terreno do MLB

Na última segunda (29), cerca de 60 famílias da Ocupação Emmanuel Bezerra fizeram a própria realocação e ocuparam o antigo prédio do Diário de Natal na avenida Deodoro da Fonseca, em Natal.

O local estava abandonado e sem função social há mais de 12 anos. Após a ocupação, a Poti Incorporações Imobiliárias LTDA, proprietária do imóvel, requereu a reintegração de posse. A empresa tem não só Marcelo Alecrim como um dos administradores, mas também a Ale Participações Societárias S.A. e a Sat Participações S.A. 

No final desta quarta (31), contudo, o juiz Luis Felipe Lück Marroquim atendeu o pedido do MLB para que a Comissão de Soluções Fundiárias do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) faça parte do processo.

“Com a chegada das informações referentes ao dia e horário em que a Comissão de Soluções Fundiárias realizará a visita técnica (...), a Secretaria proceda à intimação, com a devida antecedência, das partes, Ministério Público, Defensoria Pública e Município”, diz trecho do despacho.

Além da Poti Incorporações e da Alesat, Marcelo Alecrim ainda tem uma participação na política. Em 2016, ele doou ao todo R$ 220 mil em campanhas eleitorais para quatro candidatos diferentes, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O natalense destinou a Tião Couto, candidato a prefeito de Mossoró pelo PSDB, R$ 150 mil. Naquela eleição, Tião declarou ter um patrimônio de R$ 37,5 milhões. O empresário mossoroense perdeu a eleição e em 2018 se candidatou a vice-governador na chapa de Robinson Faria. A chapa também foi derrotada. Naquele ano, o patrimônio registrado por Couto foi de R$ 35,3 milhões.

Já Carlos Eduardo, que em 2016 se candidatou a prefeito de Natal e venceu, recebeu R$ 30 mil. Em Canguaretama, Wellinson Carlos Dantas Ribeiro — também candidato à Prefeitura —, recebeu os mesmos R$ 30 mil, mas perdeu a corrida eleitoral. Em Pau dos Ferros, Leonardo Rêgo (que ganhou a Prefeitura à época) ficou com R$ 10 mil.

A Poti Incorporações, proprietária do terreno em que está a ocupação do Movimento de Luta em Bairros (MLB) em Petrópolis, bairro da zona leste de Natal, pertence ao empresário Marcelo Alecrim. Ele é o ex-presidente da Alesat, quarta maior distribuidora de combustíveis do país.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.