Fórum Mudanças Climáticas faz alerta aos povos do Brasil e seu governo
Natal, RN 24 de mai 2024

Fórum Mudanças Climáticas faz alerta aos povos do Brasil e seu governo

9 de março de 2024
3min
Fórum Mudanças Climáticas faz alerta aos povos do Brasil e seu governo
Foto: FMCJS

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Durante o Seminário Nacional do Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Socioambiental (FMCJS), realizado de 4 a 6 de março de 2024, em Brasília, participantes de todo o Brasil definiram prioridades e ações para o ano.

São necessárias e urgentes as seguintes medidas: fim da exploração e do uso dos combustíveis fósseis; fim de soluções apresentadas pela falsa economia verde e azul (megaempreendimentos de energias renováveis e mineração); fim da lógica mercantil sobre a terra e territórios; fim do desmatamento e a consequente destruição dos biomas (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa, Pantanal e Zona Costeira); a necessária mudança em relação ao uso do solo implementadas desde a conquista/colonização, reduzindo a pecuária industrial e superando as tecnologias agressivas e contaminadoras dos agronegócios; fim da mercantilização e abuso das águas”, elencaram as ações em carata resultante do encontro.

O documento, fruto de uma construção coletiva, que teve início em fevereiro com dois encontros virtuais, e que contou com a participação de representes dos núcleos e articulações de todos os biomas brasileiros, destaca a importância da convivência harmoniosa com a natureza, expressa preocupação com as práticas que contribuem para as mudanças climáticas e pede políticas públicas coerentes e mobilização global para enfrentar esses desafios.

Precisamos enfrentar os falsos discursos e iniciativas que tentam pintar de “verde” ou “azul” velhas e novas práticas agressivas ao meio ambiente e aos direitos da natureza e das pessoas. Na Caatinga, Pampa e em áreas costeiras do Nordeste e do Sul já acontecem megaprojetos, como das energias solar fotovoltaica e eólica, que não são limpos nem sustentáveis. Estes empreendimentos colaboram para a desertificação (ou arenização) crescente, o desmonte de pequenas propriedades em comunidades e o agravamento do processo de aquecimento global. Esses megaempreendimentos nocivos se espraiam para outros biomas e territórios”, alerta a carta.

O documento é um apelo para que a COP 30, a ser realizada em Belém no próximo ano, seja uma oportunidade para mudanças significativas.

Foto: FMCJS

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.