Prefeitura atrasa mais uma vez as obras do Mercado da Redinha
Natal, RN 28 de mai 2024

Prefeitura atrasa mais uma vez as obras do Mercado da Redinha

7 de março de 2024
3min
Prefeitura atrasa mais uma vez as obras do Mercado da Redinha
Obra está atrasada há seis meses. Foto: Leandro Juvino.

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

As Obras do Complexo Turístico da Redinha, onde antes funcionava o Mercado da Redinha, foram adiadas mais uma vez pela Prefeitura de Natal. Prevista, incialmente, para ser entregue em setembro de 2023, a obra foi adiada para março deste ano e, agora sofreu um novo adiamento para o fim de abrir de 2024. Quem sofre com a não conclusão do serviço são os trabalhadores da praia, que há mais de um ano são impactados pelas construções. 

De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinfra), a obra está 60% concluída e a nova previsão de entrega é até o final de abril. No fim do ano passado, a Seinfra divulgou a conclusão de 50% das obras gerais do Complexo Turístico da Redinha. Dentre os serviços realizados no espaço, estão a construção do complexo central e de um espigão, serviços de iluminação, setor dedicado ao artesanato, enrocamento da praia, construções de calçadas no entorno e pavimentações asfálticas. 

Trabalhadores da praia são os mais impactos com o serviço 

Garçons, cozinheiros, pescadores, ambulantes e funcionários de outros setores estão sem poder trabalhar desde os inícios do serviço na Redinha, em Abril de 2022. Essas categorias ficaram de fora do acordo da Prefeitura com 20 quiosqueiros que receberam, entre R$25 mil e R$50 mil, dependendo da atividade exercida e da volta ou não da ocupação da orla. 

Procurados pela reportagem, trabalhadores que preferiram não se identificar com medo de retaliações, duvidaram que as obras do mercado estejam prontas em abril. “Ainda falta muita coisa na obra. E nossa situação continua a mesma. Até agora a gente não sabe de quase nada”, comentou um deles. 

A situação para os ambulantes não é fácil. Eles denunciam descasos, abandono e situações desumanas como fortes insolações, pela proibição de colocar guarda-sóis na faixa de areia. Em janeiro deste ano, o comerciante Ronaldo Júnior, que a família trabalhava em um dos boxes do Mercado Público há 80 anos, foi preso por colocar três mesas na parte superior da praia para trabalhar.

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) é a responsável pela fiscalização das atividades na praia. Inclusive, o titular da pasta, Thiago Mesquita, já deu declarações que geraram revoltas dos trabalhadores da praia. Na época, o secretário alegou que as manifestações na Redinha, em setembro de 2023, eram de origem “político-partidárias" por conta do apoio do vereador Daniel Valença (PT) e da deputada federal e pré-candidata à prefeitura de Natal, Natália Bonavides (PT), prestado aos trabalhadores. 

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.