Professores da Ufersa aderem à greve das universidades federais
Natal, RN 21 de jun 2024

Professores da Ufersa aderem à greve das universidades federais

5 de junho de 2024
4min
Professores da Ufersa aderem à greve das universidades federais
Cerca de 300 professores participaram da assembleia nesta terça-feira, 04. Foto: reprodução @adufersa

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Aderindo ao movimento paredista nacional das instituições federais de ensino, os professores da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) aprovaram greve geral em assembleia ao final da tarde desta terça-feira, 04. A informação foi divulgada pela Associação dos Docentes da Ufersa (Adufersa).

Nas redes, o presidente da Adufersa, Thiago Arruda, informou que a paralisação inicia no próximo dia 10, segunda-feira. Com quase 300 docentes presentes, a decisão pela greve da categoria foi aprovada com mais de 195 favoráveis, 94 contrários e sete abstenções. Participaram docentes dos quatro campi da Ufersa.

O vereador Daniel Valença (PT), que é professor da Ufersa desde 2010, manifestou apoio à greve dos docentes da instituição, afirmando ainda que 0% de reajuste em 2024 para os servidores é injustificável.

“A greve aprovada por 2/3 da assembleia joga um holofote sobre a disputa de orçamento público para a Educação, que é um setor essencial para o desenvolvimento cultural da nossa sociedade e para qualquer projeto sério de país”, apontou o parlamentar.

Na Ufersa, os servidores técnico-administrativos já estão em greve desde o dia 11 de março. A adesão à greve das universidades federais no Rio Grande do Norte faz parte de um movimento nacional de luta pela educação, que também já conta com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e o Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) no estado potiguar.

Andes

A Adufersa é filiada ao Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições do Ensino Superior (Andes), que aguarda agora negociação com o Ministério da Educação (MEC) em duas reuniões agendadas para os dias 11 e 14. 

Em contraproposta apresentada ao governo federal, o grupo admite reajuste de 0% este ano, mas com recomposição das perdas salariais de 3,69% em agosto de 2024, 9% em janeiro de 2025 e 5,16% em maio 2026; além de cumprimento de outros pontos de pauta, como garantia de paridade entre ativo(a)s e aposentados(as) e o reenquadramento dos(as) aposentados(as) na carreira na posição relativa ao momento de suas aposentadorias; aplicação de reajustes salariais lineares, sem revisão dos chamados “steps”; instituição de uma mesa de negociação permanente para discussão ampla da carreira, na perspectiva da alteração da situação de desestruturação vivida hoje.

A contraproposta defende, ainda, a criação da mesa nacional permanente da educação para discussão do orçamento, recomposição orçamentária para as Instituições Federais de Educação (IFEs) no patamar mínimo de R$2,5 bilhões em 2024, tendo como horizonte o restabelecimento dos investimentos de verbas de uso discricionário segundo os de 2016, com as correções inflacionárias, bem como manutenção dos pisos constitucionais da saúde e educação.

De acordo com o Andes, já são mais de 60 universidades federais em greve no país.

Saiba+

Professores da Ufersa decidem nesta terça (04) se entram em greve

Lula deve receber título de Doutor Honoris Causa da Ufersa

Servidores da educação em greve terão novas negociações com governo

Embate entre PROIFES e ANDES sobre greve tem novo capítulo

Em plebiscito, professores da UFRN reafirmam manter greve

Greve UFRN: Adurn decide por plebiscito sem fazer assembleia antes

Proifes vai recorrer da decisão judicial que cancela acordo com governo

Proifes assina acordo com governo; docentes da UFRN questionam

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.