Entidades apelam à ONU e OEA por revogação da emenda do teto de gastos
Natal, RN 24 de mai 2024

Entidades apelam à ONU e OEA por revogação da emenda do teto de gastos

17 de abril de 2020
Entidades apelam à ONU e OEA por revogação da emenda do teto de gastos

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Por Rede Brasil Atual

Um grupo de 43 entidadesda sociedade civil enviou, nesta quinta-feira (16), apelo à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Organização dos Estados Americanos (OEA) para denunciar os impactos à população causados pela Emenda Constitucional 95, que limita os investimentos sociais – como em saúde, educação e moradia – pelo governo brasileiro, ante a perspectiva de crescimento da pandemia da covid-19 no país. A ação pede a recomendação por parte dos fóruns para a revogação da emenda, aprovada em 2016, pelo governo de Michel Temer.

“A Emenda Constitucional 95 é um entrave à resposta à pandemia de coronavírus”, destacam as organizações. O comunicado conjunto, destinado a cinco relatores especiais do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos e à Comitê Interamericano de Direitos Humanos (CIDH), alerta para os riscos da manutenção da trava dos investimentos em áreas sociais, frente à crise enfrentada desde a chegada do coronavírus ao país.

O comunicado também alerta que o orçamento federal em saúde foi reduzido em R$ 30 bilhões nos últimos quatro anos por causa da alteração na Constituição que impôs o teto. Diante disso, as entidades pedem aos organismos internacionais que solicitem informações do governo brasileiro sobre investimento público em saúde para controle da pandemia.

Integram a articulação os coletivos ​Campanha Nacional pelo Direito à Educação​, ​​o Instituto Justiça Fiscal, a Plataforma Dhesca​, a Conectas e outras organizações civis. A denúncia faz parte de uma série de iniciativas para suspender o teto de gastos sociais no país. Em março, as organizações pediram ao Supremo Tribunal Federal (STF) a revogação imediata da emenda.

Austeriadade

Ainda no documento enviado, as entidades pleiteiam o restabelecimento do financiamento de outras áreas, como educação, assistência social e segurança alimentar, que também foram afetadas pela restrição orçamentária instituída pela Emenda 95.

Em 2018, a ONU se manifestou sobre a política fiscal adotada pelo Brasil, após o impeachment de Dilma Rousseff. Relatores em direitos humanos das Nações Unidas recomendaram que o país reconsiderasse seu programa de austeridade.

A ONU afirmou então que o Brasil deveria colocar os direitos humanos no centro de suas políticas econômicas. “Pessoas vivendo na pobreza e outros grupos marginalizados estão sofrendo desproporcionalmente, como resultado de medidas econômicas restritivas em um país que já foi considerado exemplo de políticas progressistas para reduzir a pobreza e promover a inclusão social”, disseram.

As Nações Unidas alertaram que algumas das decisões financeiras e fiscais tomadas nos últimos anos pelos governos que sucederam Dilma Rousseff afetam a garantia de acesso a diversos direitos, incluindo à moradia, alimentação, água e saneamento, educação, seguridade social e saúde, e estão aprofundando as desigualdades.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.