CIDADANIA

Aeroporto do RN monitora pessoas com sintomas para evitar entrada de variante da covid-19 encontrada no Maranhão e Ceará

Com a circulação da cepa B.1.617 da covid-19 (oriunda da Índia) nos estados do Maranhão e Ceará, a Secretaria de Saúde do estado do Rio Grande do Norte reuniu autoridades sanitárias na segunda-feira (24) para que fosse avaliada a possibilidade de implantação de barreiras sanitárias no Aeroporto Internacional de São Gonçalo do Amarante.

O RN não recebe voos do Maranhão, mas há linha direta para Fortaleza. Quando detectados tripulantes com passagem por esses estados nos últimos 14 dias, que apresentem sintomas covid-19 a bordo, os funcionários das companhias aéreas comunicam à equipe da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no aeroporto.

O passageiro é conduzido à avaliação no posto médico. Caso sejam confirmados os sintomas de covid-19 e a procedência desse passageiro expressar preocupação quanto à contaminação por novas variantes do SARS-Cov, é feita notificação ao CIEVS/SESAP/RN, por e-mail, para o monitoramento do paciente no território do estado, bem como orientando o isolamento domiciliar pelos próximos 14 dias.

A Anvisa está também orientando as companhias aéreas que informem sobre voos em que possam estar passageiros com passagem pelo Maranhão.

De acordo com a Vigilância Sanitária, desde abril de 2020 o aeroporto de São Gonçalo não tem recebido voos internacionais regulares. A Portaria 653/21, de 14 de maio de 2021, do Ministério da Saúde, proíbe os voos internacionais que tenham origem ou passagem pelo Reino Unido, Irlanda do Norte, República da África do Sul e da Índia. Inclusive, para pousos técnicos as aeronaves com estas origens, estão proibidas de fazê-lo.

Os passageiros internacionais só conseguem embarcar para o Brasil com um exame RT-PCR, feito 72 horas antes do embarque, com resultado “não reagente” apresentando no check-in. As pessoas devem também apresentar a Declaração de Saúde do Viajante – DSV – com a concordância sobre as medidas sanitárias que deverão ser cumpridas, quando estiver no país. Já no Porto de Natal, segundo Nota técnica Anvisa nº5/21, os tripulantes apenas desembarcam com a realização de RT-PCR e avaliação médica.

O Governo do RN também informou que estão sendo articuladas barreiras nas rodovias em cidades que fazem fronteira com estados vizinhos.

“Nós do estado temos um trabalho suplementar e colaborativo com a Anvisa, que é quem coordena e executa as ações de vigilância sanitária no âmbito dos Portos, Aeroportos e Fronteiras. Em reunião discutimos o controle e minimização dos riscos sanitários com essa nova variante. Considerando que aqui não temos voos diretos partidos do Maranhão e que ainda não foi comprovada transmissão comunitária, vamos aguardar as medidas adotadas no estado do Maranhão em relação à implementação de barreiras sanitárias no aeroporto de lá”, explicou a subcoordenadora de vigilância sanitária da Sesap, Diviane Alves.

A Coordenação estadual da Vigilância de Portos, Aeroportos e Fronteiras no RN aguarda manifestação do Ministério da Saúde e orientação da Anvisa central quanto a outras ações que possam ser realizadas.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo