Gilberto Gil vai ocupar cadeira na ABL que foi do jornalista potiguar Murilo Melo Filho 
Natal, RN 20 de jun 2024

Gilberto Gil vai ocupar cadeira na ABL que foi do jornalista potiguar Murilo Melo Filho 

12 de novembro de 2021
Gilberto Gil vai ocupar cadeira na ABL que foi do jornalista potiguar Murilo Melo Filho 

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O ex-ministro da Cultura, Gilberto Gil, vai ocupar a cadeira de nº 20 na Academia Brasileira de Letras (ABL). Ao todo, a Academia tem 40 vagas e Gil, de 79 anos, teve 21 dos 34 votos dos membros da ABL que participaram da eleição, que ocorreu no formato presencial e remoto. A vaga estava aberta desde a morte do jornalista potiguar Murilo Melo Filho, em 27 de maio de 2020, que faleceu aos 91 anos.

Murilo Melo Filho nasceu em Natal, em 13 de outubro de 1928, sendo o mais velho de sete irmãos. Ele estudou o curso primário no Colégio Marista e o colegial no Ateneu Norte-Riograndense, começando sua carreira no jornalismo aos 12 anos no antigo Diário de Natal, com Djalma Maranhão. Também passou pela A Ordem, A República e pela Rádio Educadora de Natal.

Aos 18 anos, o potiguar se mudou para o Rio de Janeiro, foi aprovado em concursos públicos para datilógrafo do IBGE e do Ministério da Marinha, e entrou para o Correio da Noite como repórter de polícia. Murilo Melo Filho também trabalhou na Tribuna da Imprensa, no Jornal do Commercio, O Estado de São Paulo, além da revista Manchete e TV Rio. Formado em Direito pela Universidade do Rio de Janeiro, chegou a advogar durante sete anos.

Entre os anos de 1960 a 1965, o potiguar se muda novamente, agora, para Brasília, onde escreveu centenas de reportagens sobre a nova capital do país. Mutilo foi o responsável pela construção da sede da Bloch Editores e da Manchete e foi, a convite de Darcy Ribeiro e de Pompeu de Souza, professor de Técnica de Jornalismo na Universidade de Brasília.

Em missões jornalísticas, o potiguar acompanhou os ex-presidentes Juscelino Kubitschek a Portugal; Jânio Quadros a Cuba; João Goulart aos Estados Unidos, ao México e Chile; Ernesto Geisel à Inglaterra e à França; e José Sarney a Portugal e aos Estados Unidos. Ele também cobriu a Guerra do Vietnã e foi o primeiro jornalista brasileiro a cobrir a Guerra do Camboja, em 1973. Murilo Melo Filho foi o sexto ocupante da Cadeira de nº 20 da ABL, sendo eleito em 25 de março de 1999, na sucessão de Aurélio de Lyra Tavares.

Livros publicados

  • Junto com Arnaldo Niskier, R. Magalhães Jr. e Joel Silveira, Murilo Melo Filho escreveu Cinco dias de junho, sobre a Guerra de Israel.
  • Com Adonias Filho, Amando Fontes, Cassiano Ricardo, Gustavo Corção, Hélio Silva, Josué Montello, Octavio de Faria, Rachel de Queiroz e Walmir Ayala, é um dos autores do livro O assunto é padre.
  • Com Carlos Lacerda, Darwin Brandão, David Nasser, Edmar Morel, Francisco de Assis Barbosa, João Martins, Joel Silveira, Justino Martins, Otto Lara Resende e Samuel Wainer, escreveu o livro Reportagens que abalaram o Brasil.
  • Com textos de Gilberto Freyre, Josué Montello, José Lins do Rego, José Américo de Almeida, Antônio Houaiss, Raimundo Magalhães Jr., Eduardo Portella, Ronaldo Cunha Lima e Humberto Nóbrega, é um dos autores do livro Augusto dos Anjos – A saga de um poeta.
  • Lançou O desafio brasileiro, com prefácio do ex-Ministro Reis Velloso, que vendeu 80 mil exemplares em 16 edições sucessivas, ganhando com ele o Prêmio Alfred Jurzykowski, da Academia Brasileira de Letras, como o Melhor Ensaio do Ano.
  • Em seguida, escreveu O modelo brasileiro, lançado pela Editora Bloch, com prefácio do professor e ex-Ministro Mário Henrique Simonsen, que vendeu 15 mil exemplares em três edições e lhe granjeou o Prêmio Juca Pato, da Associação Paulista de Escritores.
  • Publicou, ainda, O Progresso Brasileiro, pela Biblioteca do Exército; Memória viva, por Bloch Editores; O nosso Rio Grande do Norte, pela Editora Consultor, e Rio Grande do Norte - Imagem e palavra, todos eles com cinco mil exemplares, cada.
  • Com os jornalistas Barbosa Lima Sobrinho, Villas-Boas Corrêa, Pedro do Couto, Marcio Alves, Rogério Coelho Neto e Paulo Branco, escreveu o livro Crônica política do Rio de Janeiro, editado pela Fundação Getúlio Vargas.
  • Em 1997, lançou o livro Testemunho político, pela Editora Bloch, com prefácio do ex-Presidente, Senador e Acadêmico José Sarney além de apresentações dos Acadêmicos Arnaldo Niskier, Carlos Heitor Cony e Barbosa Lima Sobrinho.
  • Na Coleção Afrânio Peixoto, da ABL, lançou o livro Múcio Leão – Centenário.
  • Com prefácio do jornalista Villas-Bôas Corrêa e apresentações dos acadêmicos Tarcísio Padilha, Arnaldo Niskier e Candido Mendes, escreveu o livro Tempo Diferente, em co-edição da ABL e a Topbooks.
  • História do Gás – do Rio de Janeiro ao Brasil, editada pela CEG e Pancron Indústria Gráfica, tem prefácio do também acadêmico Carlos Heitor Cony.
  • Pela "Editora União", escreveu o livro "O Brasileiro Rui Barbosa", na 2ª edição.
  • Com os escritores Ney Figueiredo, Marcelo Tognozzi, Francisco Vianna, Leandro Fortes e as escritoras Claudia Izique e Marleine Cohen, escreveu "Políticos ao entardecer" (Getúlio, JK, Geisel, Brizola, Andreazza, Covas e Lacerda), com texto sobre Café Filho e "Um agitador na presidência", editado pela Cultura.
https://www.youtube.com/watch?v=ipHpSBCOSYc
Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.