DEMOCRACIA

Perfil no twitter dedicado a nordestinos é atacado depois do primeiro turno das eleições

Mensagens preconceituosas contra nordestinos I Imagens: reprodução redes sociais

Depois do resultado do 10 turno das eleições 2022 nesse último domingo (02), no qual os eleitores dos estados do Nordeste deram franca maioria para o ex-presidente Lula (PT), o perfil Nordeste, criado no twitter em maio de 2021 e com quase 120 mil seguidores, passou a ser atacado com mensagens de xenofobia.

O administrador da conta chegou a desabafar, na própria rede, que estava pensando em fechar o perfil devido a quantidade de mensagens preconceituosas que tem recebido.

Mensagens preconceituosas contra nordestinos I Imagens: reprodução redes sociais

Desabafo de administrador do perfil “Nordeste” depois de mensagens xenofóbicas: Reprodução

Mensagens preconceituosas contra nordestinos I Imagens: reprodução redes sociais

Mensagens preconceituosas contra nordestinos I Imagens: reprodução redes sociaisNem as publicações bem humoradas, livraram o perfil da xenofobia, que é a antipatia, para dizer o mínimo, por pessoas que vêm de um lugar diferente daquelas que estão fazendo o juízo de valor. Nós vemos esse tipo de preconceito acontecer, com frequência, contra imigrantes de países pobres durante as crises migratórias, por exemplo. São pessoas que deixam seus locais de origem devido à guerra, fome ou perseguição política, em busca de melhores condições de vida, mas que são vistas no “novo lar” como cidadãos inferiores.

No Brasil, essa onda de xenofobia se repete de tempos em tempos quando algum grupo populacional discorda das regiões de maior influência econômica, como aconteceu no 10 turno das eleições deste ano. Um preconceito que ignora a história e repete esteriótipos na tentativa de afirmar uma superioridade coletiva que inexiste.

O atual presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) até teve um aumento no número de votos que recebeu dos nordestinos este ano em relação ao 10 turno de 2018, passando de 26% para 27% da preferência do eleitorado da região (votos válidos), o que representou um acréscimo de 1,3 milhão de votos. Um número que também é explicado pelo aumento de eleitores aptos a votar em 2022.

No entanto, apesar da suposta melhora de desempenho no Nordeste, Bolsonaro teve maioria em apenas 15 dos 1.794 municípios da região. Enquanto na eleição passada o atual presidente teve mais influência sobre os grandes centros, como Natal, Recife, Maceió, João Pessoa e Aracaju. Em 2022, Bolsonaro avançou mais sobre pequenos municípios, mais sujeitos à influência política local e, consequentemente, à máquina de campanha do Governo Federal que, entre outras coisas, investiu pesado na narrativa da transposição do São Francisco.

Apesar de ter sido a gestão que menos contribuiu com a obra, quando Bolsonaro foi eleito o serviço já estava quase 97% concluído, o presidente fez uma série de inaugurações pelos municípios do interior do Nordeste se colocando como autor da transposição.

Além disso, há uma série de denúncias sobre o uso do “orçamento secreto”, recursos transferidos para municípios sob a influência de apadrinhados políticos do presidente para turbinar a campanha nessas cidades, numa retomada dos antigos “currais eleitorais”.

Dentre os 15 municípios nos quais Bolsonaro teve maioria, 8 ficam em Alagoas, reduto eleitoral do presidente da Câmara Arthur Lira (PP). São cidades onde predominam atividades do agronegócio, com maioria de evangélicos e disputas entre indígenas e ruralistas.

A capital de Alagoas, Maceió, foi a única na qual Bolsonaro teve maioria na disputa com Lula. No interior, o município de Barra de São Miguel, que tem Benedito de Lira (PP), pai de Arthur Lira como prefeito, recebeu R$ 4,7 milhões em 2021 e R$ 5,8 milhões em 2020 por meio de emendas de relator através do “orçamento secreto”. Mas, apesar do derramamento de dinheiro, Bolsonaro teve apenas 30 votos a mais do que Lula. O município tem 8,2 mil habitantes.

No Rio Grande do Norte, apesar das frequentes visitas do recém eleito senador Rogério Marinho (PL), Rogério Marinho, porta-voz do Bolsonarismo, o ex-presidente Lula, que é novamente candidato em 2022, venceu em 166 dos 167 municípios do estado. Apenas Parnamirim deu maioria a Bolsonaro, que ficou com 48,69% (53.530 votos) contra 43,74% de Lula (48.084 votos).

Saiba +

PT quase dobra número de votos no 1º turno de 2022 em comparação a 2018

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo