Rocas tem manhã de protesto contra retirada de linhas de ônibus e denúncia de redução no horário noturno
Natal, RN 20 de jul 2024

Rocas tem manhã de protesto contra retirada de linhas de ônibus e denúncia de redução no horário noturno

5 de abril de 2023
7min
Rocas tem manhã de protesto contra retirada de linhas de ônibus e denúncia de redução no horário noturno

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Moradores do bairro das Rocas, na Zona Leste de Natal (RN), saíram em caminhada, na manhã desta quarta (5), do Terminal Rodoviário das Rocas em direção à sede da STTU, na Ribeira, em protesto contra a decisão dos empresários de ônibus de retirar as linhas 46, 51, 52, 54 e 56, que não vão mais passar pelo terminal do bairro.

É um cambalacho. Antes da pandemia eu só precisava pegar um ônibus, que era a linha 48. Eu pegava aqui em Santos Reis e saía sentado e chegava no meu setor de aulas sentado. Eu não precisava andar dois quilômetros até a Ribeira, pra pegar um ônibus pra quando chegar pegar outro, um circular lotado! Todo dia vejo aluno ser colocado como lata de sardinha, ficando preso na porta, correndo o risco de um acidente fatal! Acidentes acontecem porque deixamos acontecer. A gente sabe que isso aqui é um plano de governo para sucatear a Zona Leste e as Rocas. Tivemos um Plano Diretor pela verticalização dessa região, isso que está acontecendo aqui tem o braço da Prefeitura de Natal”, denuncia um estudante da UFRN que participou do protesto.

Assim como ocorreu na pandemia, os empresários alegam que a queda do número de passageiros tornou a manutenção das linhas economicamente inviável, com o acréscimo da previsão de reajuste salarial dos motoristas em maio e aumento no preço do diesel.

Nós estivemos ontem na STTU, inclusive numa reunião bem acalorada, porque nós entendemos que a posição da Secretária deve ser a de fazer com que as empresas obedeçam as regras do sistema público de transporte e nós encontramos uma Secretária conciliadora, o que não é papel de um gestor público. O sistema de transporte em Natal fracassou, colapsou. A sociedade natalense precisa cobrar da gestão pública um contrato formal entre STTU [Secretaria de Mobilidade Urbana da capital] e o Seturn [Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos], o que não existe hoje”, denuncia o deputado estadual Ubaldo Fernandes (PSDB).

Cerca de 40 mil pessoas devem ser prejudicadas com a retirada das linhas  46, 51, 52, 54 e 56. Mas, segundo o Seturn, o bairro continuaria sendo abastecido com as linhas 25, 33, 35, 37, 38, 43, 59, 75 e 84, o que os moradores denunciam ser insuficiente para a demanda da região.

A gente não vai esquecer o que Álvaro Dias está fazendo com o transporte público não! Ru não estou dizendo que antes dele era uma maravilha, mas tem piorado e muito! O impacto disso não vai ser só pro bairro das Rocas, o impacto é pra cidade inteira. Quem usa o transporte público sabe que ele tem relação com a quantidade de tempo que vamos ter pra comer, que horas vamos ter que acordar, tem a ver com o estresse da nossa cabeça, com a nossa saúde. É um crime contra a qualidade de vida do povo natalense”, critica a vereadora Brisa Bracchi (PT).

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, Natal perdeu 18 linhas de ônibus. Das 82 linhas já existentes, apenas 64 continuam em circulação, porém, contando com o transporte opcional.

A STTU tem que ver que nós, das Rocas, também precisamos nos deslocar pra outros bairros. Segunda-feira estava no Jardim Lola e passei mais de 1h20 esperando o 70. Se não fosse o trem, eu só teria voltado na terça”, ironiza uma moradora do bairro.

Moradores das Rocas em frente à sede da STTU I Foto: cedida
Moradores das Rocas em frente à sede da STTU I Foto: cedida

Denúncia

De acordo com o deputado Ubaldo Fernandes, os empresários de ônibus anteciparam que, além das mudanças implantadas recentemente no itinerário de algumas linhas, também pretendem reduzir o percurso de alguns ônibus no horário noturno.

“E ainda tem o mais incrível que achei ontem, os próprios empresários disseram que muito em breve estarão diminuindo os horários de circulação do transporte público à noite! Somos uma cidade turística, o pessoal que trabalha em hotelaria, restaurantes, hotéis... vão ficar na rua?”, questiona.

A promessa não cumprida...

Apesar das mudanças constantes nos itinerários e quantidade de ônibus em circulação, as empresas de ônibus que atuam em Natal e região metropolitana receberam isenção de impostos, como forma de incentivo do poder público, para que as linhas de ônibus fossem mantidas, o que acabou não acontecendo, mas sem punição ou outros desdobramentos sobre os empresários do setor.

Desde a pandemia da covid-19, eles recebem isenção do imposto municipal ISS (Imposto Sobre Serviços) e do imposto estadual ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

No caso do ICMS, a isenção sobre a aquisição de óleo diesel para o setor metropolitano de transporte de passageiros de Natal foi de 100%, já o sistema intermunicipal teve desconto de 80%, desde dezembro de 2021. Os abatimentos só terminaram recentemente, no final deste mês de março, quando começou o movimento dos empresários para reduzir as linhas. Já a isenção de ISS remonta a janeiro de 2022 e vai até dezembro deste ano.

"Nós exigimos licitação! Natal precisa de ônibus novos, com ar condicionado, piso baixo, motor traseiro e principalmente respeito ao usuário. Além disso, Natal precisa colocar em prática a Empresa Pública de Transporte Coletivo, indicação Legislativa protocolada por nosso mandato e já aprovada na Câmara Municipal. Essa empresa vai, além de qualificar o transporte, devolver ao povo o controle sobre os custos e os lucros do transporte coletivo", defende o vereador Robério Paulino (Psol), que apresentou na Câmara Municipal de Natal o projeto de criação de uma empresa pública de transporte em Natal..

Licitação vazia

As empresas de ônibus que atuam em Natal e Região Metropolitana funcionam por meio de permissão, que é uma autorização concedida pela Prefeitura de Natal para que empresas interessadas explorem o serviço.

A primeira tentativa de elaborar um edital de licitação do transporte público da capital começou em 2013. Já em 2015, o projeto foi enviado à Câmara Municipal de Natal com 140 emendas. Por causa de decisões judiciais, o projeto foi modificado em 2016 e, em 2017, duas concorrências foram lançadas nos meses de janeiro e abril, mas deram desertas pela falta de interesse das empresas em atender às exigências feitas à época, que previam a introdução de veículos novos com melhorias como piso baixo, câmbio automático, motor central ou traseiro e ar-condicionado.

O edital previa a exploração de dois lotes de serviços com 37 linhas de ônibus cada uma. A concessão seria garantida por um prazo de dez anos, podendo ser renovada por mais dez. De acordo com o consultor técnico do Seturn, as licitações deram desertas porque os custos foram subestimados no projeto, enquanto as receitas foram projetadas acima da realidade.

Saiba +

Terminal das Rocas abandonado por cinco linhas do Seturn foi reformado no ano passado

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.