Para que não se esqueça: Mossoró terá memorial às vítimas da Covid
Natal, RN 23 de fev 2024

Para que não se esqueça: Mossoró terá memorial às vítimas da Covid

19 de dezembro de 2023
5min
Para que não se esqueça: Mossoró terá memorial às vítimas da Covid
Monumento deve ficar pronto em seis meses | Foto: Divulgação (PMM)

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Mossoroenses vitimados pela Covid-19 terão seus nomes marcados em um espaço na cidade. Um memorial em homenagem aos mortos pela pandemia será construído na Avenida Dix-Sept Rosado, ao lado da Catedral de Santa Luzia, no centro. 

A ordem de serviço foi assinada nesta segunda-feira (18) pelo prefeito Allyson Bezerra. A obra é uma das contempladas na primeira fase do programa “Mossoró Realiza”. 

Ao todo, mais de 700 nomes devem ser registrados no monumento. A previsão de conclusão é de seis meses. O investimento é de R$ 433.783,42.

Para Bezerra, o memorial vai buscar valorizar as vítimas da pandemia.

“Uma linda praça que vai homenagear todos os mossoroenses que partiram desta vida por conta da pandemia. Esse memorial é mais do que uma homenagem, é um alento às famílias e a todos que ficaram na saudade de seus familiares”, afirmou.

“Estamos buscando valorizar e deixar na história esses homens e mulheres mossoroenses que ficarão pra sempre na nossa eterna lembrança”, completou.

“Um filho jamais será esquecido, mas sempre que eu passar em frente a esse memorial eu vou lembrar cada vez mais. Foi muito emocionante. Me tocou profundamente”, afirmou uma mãe, que não teve o nome identificado. 

Com o início da obra, o trânsito será impactado na região. A via lateral à esquerda do local será interditada, bloqueando a passagem de veículos durante todo o período de construção do Memorial da Covid-19.

Quem serão os homenageados

A plataforma Inumeráveis é um memorial online dedicado à história das vítimas do

coronavírus no Brasil. O projeto foi criado em 2020 e conta com colaborações de todo o país, por meio de testemunhos enviados por amigos ou família.

Lá estão 20 mossoroenses com suas vidas narradas. É o caso, por exemplo, de Raneuma Francisca de Almeida Dantas, que morreu em 2020 aos 52 anos.

Raneuma era chamada de Pretinha, contou no relato a filha Daniela Almeida. Nascida em 1967, Pretinha conheceu seu marido Cláudio em 1995, vivendo com ele por 25 anos e tendo dois filhos. 

Daniela, na verdade, era sobrinha de Pretinha, mas criada pela mulher desde cedo, cultivavam uma relação de mãe e filha. Com a filha de Daniela, novamente, guardava um carinho de avó e neta.

“Às vezes, Pretinha até deixava de fazer alguns passeios e viagens só porque não queria ficar longe da neta. O seu amor pela filha mais velha de Daniela era especial e inexplicável; por ela, sentimentos de amor e carinho nitidamente transbordavam. Sua dedicação e cuidado para com ela eram tão grandes que queria mantê-la sempre por perto, protegendo-a e desejando-lhe sempre o melhor. Se fosse preciso, era capaz de mover montanhas só para lhe dar alegria”, registra o testemunho.

Pretinha, ainda de acordo com o relato, “foi uma pessoa que aproveitou bem a vida, amou verdadeiramente as pessoas e colocou alegria em tudo o que fez”. 

“Dona de um sorriso iluminado e de uma jovialidade invejável, era também vaidosa, fazendo questão de estar sempre bem vestida. Sua diversão preferida era ouvir Amado Batista tomando uma cerveja gelada. Com essa combinação, a animação nos churrascos de domingo estava garantida”, diz o texto.

“Quero seguir a vida levando no coração a coisa mais preciosa que ela me ensinou: amar a todos incondicionalmente", contou a filha Daniela no Inumeráveis.

A história da primeira vítima fatal da Covid-19 no Rio Grande do Norte também está lá. É Luiz Di Souza que, por mais de 20 anos, dedicou-se ao ensino superior como professor de Química na Uern. O relato no Inumeráveis foi contado pela filha de coração de Luiz.

“Desde os tempos em que fazia faculdade, sempre foi alguém diferente. Seus colegas o chamavam de Jimmy, em analogia a Jimmy Hendrix”, aponta o texto. O apelido, segundo a companheira Margareth, era porque “ele era um belo negro alto, magrelo, das penas finas” e usou durante muito tempo um “cabelão black power impressionante”. 

“Agora usava uma barba bem branquinha e o cabelo já estava curtinho”, lembra a esposa. 

Era um professor universitário dedicado, disse Margareth. 

Muitos de seus antigos alunos viraram amigos, e com alguns aos domingos “nos reuníamos para o café da manhã e para recitarem poesia”, contou Margareth. 

“A esposa conta que, por amor aos seus alunos tão queridos, Luiz inventava bolsas de estudos para que eles nunca desistissem de estudar: ‘mas essas bolsas ele pagava do próprio bolso’”.
Todos os relatos das vítimas de Mossoró presentes no Inumeráveis você tem acesso clicando AQUI.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.