Crise na Cidade Alta se aprofunda com fechamento da Magazine Luiza
Natal, RN 24 de fev 2024

Crise na Cidade Alta se aprofunda com fechamento da Magazine Luiza

12 de janeiro de 2024
4min
Crise na Cidade Alta se aprofunda com fechamento da Magazine Luiza
Nos últimos meses, grandes redes como C&A, Americanas e Marisa encerraram as atividades de unidades no bairro | Foto: reprodução Google Maps

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Mais uma rede nacional do varejo encerrou suas atividades na Cidade Alta, centro histórico de Natal. A unidade da Magazine Luiza na avenida Rio Branco expôs um cartaz no qual direciona os consumidores para a filial da avenida Prudente de Morais, no bairro de Lagoa Seca.

Em nota enviada à Agência SAIBA MAIS, a empresa confirmou o fechamento da loja da zona leste e disse que a decisão faz parte de "um processo de aumento de eficiência operacional", resultado de meses de análises de aspectos como proximidade de unidades, fluxo de consumidores e mudanças na dinâmica urbana. 

“A área de gestão de pessoas da companhia já está atuando para realocar o maior número possível de colaboradores que trabalhavam na unidade”, disse a assessoria de imprensa da Magalu.

Para o presidente da associação Viva o Centro, Rodrigo Vasconcelos, a medida não é específica do comércio da Cidade Alta, mas faz parte de uma reestruturação nacional pela qual passam as grandes empresas.

“É uma reestruturação assim como foi a Marisa, assim como foi a C&A. A Magalu passa por dificuldades no varejo no Brasil todinho, que está sendo acompanhado. Até na bolsa [de valores] os investidores estão retirando o dinheiro”, diz.

Mas o fechamento de mais uma loja, para ele, influencia sim na situação do bairro, que continua sofrendo com a falta de investimento público e de "abandono dos gestores há décadas".

“E que vai resultar nisso (o abandono). E não vai se acabar só com ela. Hoje (12) mesmo, eu passei lá na João Pessoa e metade das lojas Riachuelo já não existe mais. O prédio foi entregue, porque eles têm um prédio próprio e vizinho era do Banco Safra, e aí foi entregue. E assim as empresas vão diminuindo os seus custos em virtude da crise no varejo”, lamenta.

Para mudar este cenário, Vasconcelos defende que a gestão do poder público crie um projeto de lei de incentivo fiscal para o bairro. 

“Sem isso, a gente não vê, a curto prazo, uma recuperação do comércio da Cidade Alta, infelizmente”, alerta.

Nos últimos meses, grandes redes como C&A, Americanas e Marisa encerraram as atividades das unidades no bairro. Em outubro, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte ainda realizou uma audiência pública para discutir a situação do comércio no local. A Casa implementou, ainda, uma comissão multidisciplinar pela revitalização do Centro de Natal, com participação de representantes dos comerciantes e organizações empresariais.

SAIBA MAIS: Deputados criam comitê para debater decadência do Centro Histórico de Natal após Marisa, Renner e C&A fecharem as portas

O presidente do Viva o Centro, por outro lado, diz que a comissão ainda não avançou e nem apresentou plano de recuperação econômica até o momento.

“O grupo foi criado ali, foi feita uma reunião após isso para aprovação da audiência pública, e depois que foi aprovada nós não recebemos mais nenhum retorno”, diz Vasconcelos.

“Então é como se fosse um circo, um teatro. E pra gente que é comerciante, não adianta. A gente quer que as coisas funcionem na prática. Mas a partir da aprovação do relatório, do que era que iria ser feito, não houve mais nada na prática”, afirma.

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.