“É insano dizer que pichação não é arte”
Natal, RN 13 de jul 2024

“É insano dizer que pichação não é arte”

2 de setembro de 2017
“É insano dizer que pichação não é arte”

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O gesto de desobediência civil está na criação da arte”. As aspas são do diretor do Departamento de Artes Integradas da secretaria Municipal de Cultura, Flávio Freitas. Artista plástico reconhecido e premiado, Freitas se manifestou sobre o polêmico projeto de Lei 51/2017, de autoria do vereador Felipe Alves (PMDB), que prevê multas de até R$ 10 mil para quem pichar ou desenhar grafites sem autorização em Natal.

Como gestor público, ele diz que não pode ser a favor da invasão da propriedade privada, no caso do grafite ou da pichação realizados sem autorização do poder público ou do proprietário do imóvel, mas reconhece a atitude como expressão artística.

É opção do cidadão se expressar no contexto de desobediência civil negando aquela legislação. Eu não defendo a desobediência, mas defendo a arte. Tanto como gestor público como artista. Agora, a missão do Estado é calcada na legislação”, comentou o gestor, que preferiu não se manifestar sobre o valor da multa de até R$ 10 mil prevista no PL 51/2017 em razão de ser uma proposta do legislativo.

Outro ponto polêmico do Projeto é a qualificação de toda pichação como vandalismo. Em entrevista à agência Saiba Mais, o vereador Felipe Alves foi taxativo ao afirmar que a pichação não tem valor artístico algum.

O gestor e artista plástico classificou como “insana” declarações que não reconhecem o valor artístico do picho.

Há total possibilidade da pichação ser qualificada como arte. Eu conheço galerias em São Paulo que trabalham com arte de pichadores. O leque da arte contemporânea é muito vasto e seriam insana declarações não reconhecendo a possibilidade da pichação como arte. Obviamente não são todas porque há uma complexidade muito grande na definição de arte, mas sem dúvida pode vir a se encaixar tranquilamente, o que também não quer dizer que seja de fácil digestão pela sociedade”, analisou.

Premiado e reconhecido como artista plástico no país, Flávio Freitas lembra que já criou trabalhos sem autorização em muros da cidade. Hoje, o tempo é outro.

Já fiz pinturas desautorizadas sim, foi uma forma de me expressar. Mas estou numa fase da vida que não faria mais”

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.