Direção de hospital investigado pelo MPRN afirma ter autorização para cirurgias de baixa e média complexidade 
Natal, RN 26 de mai 2024

Direção de hospital investigado pelo MPRN afirma ter autorização para cirurgias de baixa e média complexidade 

24 de fevereiro de 2023
7min
Direção de hospital investigado pelo MPRN afirma ter autorização para cirurgias de baixa e média complexidade 

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

De acordo com a direção geral do Hospital Gastroprocto, localizado em Natal (RN), a unidade de saúde tem autorização para a realização de cirurgias de baixa e média complexidade, "assim como os demais hospitais de mesmo porte", e passou por fiscalizações periódicas do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Norte (Cremern), do Conselho Regional de Enfermagem (Coren), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), além de Ministério do Trabalho e Corpo de Bombeiros. 

A unidade está sendo investigada pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) sobre possíveis irregularidades na realização de cirurgias plástica. No último dia 6 de fevereiro, a oficiala de justiça potiguar Natália Araújo, de 36 anos, morreu após uma cirurgia feita na unidade para correção de diástase e abdominoplastia.  

Natália Araújo, de 36 anos, morreu durante cirurgia plástica I Imagem: reprodução redes sociais
Natália Araújo, de 36 anos, morreu durante cirurgia plástica I Imagem: reprodução redes sociais

Entre outros pontos, o MPRN pede que o Conselho Regional de Medicina informe, no prazo de 10 dias, se o Hospital Gastroprocto pode realizar cirurgias plásticas, como as que Natália Araújo fez, em um estabelecimento de saúde que não possui UTI e ambulância. Ele também pede informações sobre as possíveis relações entre a morte da paciente e a falta desses equipamentos.

A direção do Hospital Gastroprocto confirmou que não dispõe de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) dos tipos II e III, que são para atendimentos de alta complexidade, e também que não mantém ambulância nas dependências do Hospital de forma permanente, "Assim
como os demais hospitais de mesmo porte do Hospital Gastroprocto, de atendimentos de baixa e média complexidade, não disponibilizamos de UTI dos tipos II e III, que são para atendimentos de alta complexidade. Esclarecemos, que estão todos os hospitais em condições semelhantes,
tendo em vista as legislações vigentes", diz a nota.

Sobre o questionamento da presença de ambulância nas dependências do Hospital de forma
permanente, esclarecemos que não é uma exigência feita para os hospitais. Para isto, contamos
com serviços terceirizados que funcionam sob necessidade e solicitação médica
”, afirmou a direção do hospital por meio de nota. 

Segundo a direção do Hospital Gastroprocto, a unidade mantém oito leitos de internação, 16 leitos ambulatoriais, quatro salas de cirurgias, seis leitos de SRPA (salas de recuperação pós-anestésica) e uma sala Semi-Intensiva. 

Sobre essa questão, a direção do hospital também afirmou que possui o Programa de Segurança do Paciente e o Programa de Cirurgia Segurança, idealizados pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e regidos pela Anvisa, que tem a finalidade oferecer assistência segura aos pacientes e aos profissionais de saúde, através de normas rígidas a serem cumpridas por meio de protocolos previamente estabelecidos.  

“Em virtude disso, houve significativo investimento tecnológico, que foi uma mudança de paradigma, no Estado, com implementação de tecnologias para o ato anestésico e para o ato cirúrgico, prezando prioritariamente pela segurança do paciente”, afirmou a direção do hospital por meio de nota. 

A direção do hospital, que tem 23 anos de existência, também se colocou `à disposição das autoridades para prestação de quaisquer esclarecimentos. 

Confira a nota do Hospital Gastroprocto na íntegra:  

NOTA DE ESCLARECIMENTOS

Sobre as notícias veiculadas na imprensa, que questionam a conduta e estrutura do Hospital
Gastroprocto, a Direção Geral desta unidade vem esclarecer:
• DA ESTRUTURA:
O Hospital Gastroprocto conta com uma estrutura hospitalar que anualmente passa por
fiscalizações rígidas dos órgãos de fiscalização, como, CREMERN, COREN-RN, Ministério do
Trabalho, ANVISA, Corpo de Bombeiro etc. Atualmente, estando com todas as documentações
conforme os órgãos fiscalizadores nos solicitam para o devido funcionamento.
• DAS DOCUMENTAÇÕES:
O Hospital Gastroprocto possui toda documentação, conforme deliberação do Conselho
Regional de Medicina e Covisa, para seu funcionamento nos moldes atuais que funciona e para
realização de cirurgias, de baixa e média complexidade, como os demais hospitais de mesmo
porte.
• DA SEGURANÇA MÉDICA:
O Hospital Gastroprocto possui o Programa de Segurança do Paciente e o Programa de Cirurgia
Segurança, os quais foram idealizados pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e são regidos
pela ANVISA, que tem como finalidade oferecer uma assistência segura aos pacientes e aos
profissionais de saúde, através de normas rígidas a serem cumpridas por meio de protocolos
previamente estabelecidos.
Em virtude disso, houve significativo investimento tecnológico, que foi uma mudança de
paradigma, no Estado, com implementação de tecnologias para o ato anestésico e para o ato
cirúrgico, prezando prioritariamente pela segurança do paciente.
• DAS NECESSIDADES:
Disponibilizamos de 8 (oito) leitos de internação, 16 (dezesseis) leitos ambulatoriais, 4 (quatro)
salas de cirurgias, 6 (seis) leitos de SRPA (salas de recuperação pós-anestésica) e 1 (uma) sala
Semi-Intensiva; com todos os ambientes fiscalizados e aptos pelos órgãos supracitados. Assim
como os demais hospitais de mesmo porte do Hospital Gastroprocto, de atendimentos de baixa
e média complexidade, não disponibilizamos de UTI dos tipos II e III, que são para atendimentos
de alta complexidade. Esclarecemos, que estão todos os hospitais em condições semelhantes,
tendo em vista as legislações vigentes.
Sobre o questionamento da presença de ambulância nas dependências do Hospital de forma
permanente, esclarecemos que não é uma exigência feita para os hospitais. Para isto, contamos
com serviços terceirizados que funcionam sob necessidade e solicitação médica.
• DO DIFERENCIAL:
A grande mudança nos atendimentos veio com a criação do protocolo ERAS (Enhanced Recovery
After Surgery), na Dinamarca. Um conjunto de protocolos que permite uma recuperação mais
rápida e segura ao paciente. O que ocasionou uma mudança, a nível mundial, no índice de
mortalidade pós-operatória, associado a uma diminuição de casos de infecção hospitalar.
• DA EQUIPARAÇÃO:
Ressaltamos que respeitamos a opinião pública, os órgãos fiscalizadores, os órgãos da justiça e
esperamos que as nossas informações sejam recebidas por estes como forma de restabelecer a
verdade do Hospital Gastroprocto, que em seus 23 (vinte e três) anos de funcionamento, no Rio
Grande do Norte, tem como missão DIAGNOSTICAR E TRATAR COM FOCO NO SER HUMANO.
Diariamente, algumas dezenas de colaboradores saem de seus lares para assistir aos pacientes,
os quais temos muito respeito e para quem existimos. Pedimos, humildemente, discernimento
nas atitudes e nos julgamentos.
• DA CONCORDÂNCIA:
A direção do Hospital Gastroprocto está à disposição para, com responsabilidade, prestar
quaisquer esclarecimentos necessários aos órgãos competentes. E, acredita ser positivo o
envolvimento de todas as instituições hospitalares de mesmo porte do Hospital nos
questionamentos; com o objetivo de esclarecer para a opinião pública a importância da
existência dos hospitais para cirurgias de pequena e média complexidade, especialmente para
o Estado do Rio Grande do Norte.
• DA CONFIANÇA:
Esperamos que haja respeito as pessoas que acreditam e confiam no Hospital Gastroprocto,
bem como em nossos colaboradores, prestadores de serviço, corpo clínico e a nossos pacientes,
a quem nos dedicamos diariamente.
Por fim, renovamos nossos votos de solidariedade aos familiares e amigos queridos da paciente
(nome preservado pelo sigilo médico-paciente).
Permanecemos à disposição para todos os esclarecimentos necessários.

Atenciosamente,
Direção Geral do Hospital Gastroprocto

Saiba +

MPRN investiga hospital em que oficiala de justiça morreu durante cirurgia plástica em Natal

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.