Evento debate psicologia ambiental junto a povos tradicionais no RN
Natal, RN 3 de mar 2024

Evento debate psicologia ambiental junto a povos tradicionais no RN

27 de novembro de 2023
3min
Evento debate psicologia ambiental junto a povos tradicionais no RN
Povos indígenas, quilombolas e comunidades de pesca artesanal são incluídos. | Foto: Freepik

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

A relação entre pessoas e o meio ao seu redor são objeto de estudo e debate no 1º Simpósio do Observatório de Psicologia Ambiental, com o tema Latino-Americana: atuação junto a povos e comunidades tradicionais. O evento será realizado pelo Departamento de Psicologia (Depsi) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), vinculado ao Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA), de 29 de novembro a 1º de dezembro.

O evento será no anfiteatro A do Centro de Ciências Exatas e da Terra (CCET), com início às 18h, da quarta-feira (29).

Profissionais de Psicologia e de outras áreas, pesquisadores e estudantes que atuem em contextos de comunidades tradicionais, em especial na região Nordeste, podem participar, com entrada gratuita.

As inscrições seguem abertas até a terça (28) pelo site Sigeventos. Basta clicar em Inscrever-se, caso não possua vínculo com a UFRN. Depois, é preciso fazer login no sistema, selecionar inscrições e submissões do simpósio e clicar em realizar nova inscrição, encontrar o evento e clicar no ícone verde. Será disponibilizado certificado de 20 horas para os participantes.

Gostaríamos de atingir um público interessado que seja não acadêmico, e externo à UFRN.”, comenta professora do Depsi e coordenadora do Observatório de Psicologia Ambiental Latino-Americana (obPALA), Raquel Diniz.

Serão três dias de atividades, como conferências, exposição de fotografia, lançamentos de referências técnicas, mesas-redondas, que abordarão questões sobre diversidade, políticas públicas, territorialidades e atuação junto a povos indígenas, quilombolas e comunidades de pesca artesanal.

A Psicologia Ambiental se dedica às relações mútuas entre pessoas e ambientes, explica a professora. “Ao afirmar ‘Sou do Nordeste’, explicito meu sentimento de pertencimento com essa região, a qual tem um sentido para mim e para a minha definição como pessoa. Ou quando dizemos que ‘gostamos de um lugar’, expressamos um afeto positivo por ele. São exemplos de temas que estudamos nessa área”, detalha Raquel Diniz.

“Quando falamos em povos e comunidades tradicionais - tais como indígenas, quilombolas, comunidades de pesca artesanal, entre outras - estamos abordando grupos que estabelecem relações e modos de vida bastante singulares e indissociáveis dos espaços socio físicos com os quais convivem há gerações, tornando-os assim territórios de ocupação tradicional. Nesses últimos anos, temos desenvolvido ações de pesquisa e extensão junto a essas populações em nosso estado, buscando alinhar propostas de atuação da Psicologia Ambiental às especificidades de suas demandas.”, completa.

O evento tem o apoio do Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Norte (CRP-17) e do Conselho Federal de Psicologia (CFP).


Informações: @ob.pala

As mais quentes do dia

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.