Lula anuncia expansão dos IFs; no RN, reitor diz que precisa de estudo
Natal, RN 24 de jul 2024

Lula anuncia expansão dos IFs; no RN, reitor diz que precisa de estudo

16 de dezembro de 2023
3min
Lula anuncia expansão dos IFs; no RN, reitor diz que precisa de estudo

Ajude o Portal Saiba Mais a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

O presidente Lula (PT) anunciou que pretende inaugurar mais 100 campi dos institutos federais (IFs) no país até o final de 2026, quando termina seu terceiro mandato. No Rio Grande do Norte, atualmente, existem 22 unidades do IFRN. Para o reitor José Arnóbio, é preciso um novo estudo sobre a expansão no estado.

Os detalhes do plano de abertura anunciado por Lula ainda serão definidos. Ele comentou sobre o tema na abertura da 4ª Conferência Nacional de Juventude, nesta quinta-feira (14). 

"Nós vamos fazer mais 100 institutos federais neste país para que a gente possa suprir a ausência de vagas para a juventude aprender uma profissão, ter um emprego digno e um salário justo", afirmou.

No RN, de acordo com Arnóbio, havia até anos atrás um mapeamento de quais territórios poderiam ser ocupados pelo instituto federal para expansão dos campi. 

Porém, estes territórios foram aproveitados pelo governo Fátima Bezerra (PT) para a criação dos institutos estaduais, com 12 unidades em andamento. 

Os primeiros municípios a receberem unidades do IERN serão Natal, Touros, São José de Mipibu, Tangará, Santana do Matos, Jardim de Piranhas, Campo Grande, Umarizal, Alexandria, São Miguel, Mossoró e Areia Branca.

“Hoje, os institutos estaduais que a governadora Fátima está fazendo são justamente os territórios em que a instituição pensava na expansão”, explica o reitor do IFRN.

“Com a criação desses institutos estaduais, que são 12, mais os 22 que nós temos, a gente não fez um novo estudo com relação a isso”, diz.

De acordo com José Arnóbio, para se pensar nessa ampliação, precisam ser criados critérios como o espaçamento de um instituto para outro, quais são os territórios que eles vão ficar, dentre outros. 

“E essa política não somos nós que traçamos”, argumenta, se referindo ao governo federal.

Com o anúncio da expansão feito por Lula, o reitor comemora o cenário em que se aponta a volta da expansão. 

“Isso é ótimo. Agora, a gente precisa também ter a dimensão de como isso vai se dar e que a gente possa dialogar com o governo para pensar em que territórios podemos ofertar. Isso precisa deixar de ser política de governo e passar a ser política de Estado”, argumenta o professor.

Segundo Arnóbio, falar de expansão do IF é falar de diminuição de desigualdades.

“Todo mundo quer ampliação, até porque levar educação de qualidade para esse país a gente entende que é uma forma de diminuir o fosso que existe entre quem tem muito e quem tem pouco”, defende.

Ainda assim, para o dirigente, é preciso se discutir a consolidação dos atuais campi, com mais investimentos para as unidades já existentes. 

“A gente precisa ter mais profissionais para que possam atender nossos alunos, um pouco mais de investimento para que possamos atender as demandas. Depois da pandemia e em função de tudo que aconteceu, a gente tem uma sociedade muito mais empobrecida e muito mais adoecida. Então a gente precisa ter mais assistência estudantil, mais profissionais como psicólogos, assistentes sociais e pedagogos que possam atuar nessa rede conosco”, diz o professor.

Apoiar Saiba Mais

Pra quem deseja ajudar a fortalecer o debate público

QR Code

Ajude-nos a continuar produzindo jornalismo independente! Apoie com qualquer valor e faça parte dessa iniciativa.

Quero Apoiar

Este site utiliza cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.